Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Mascherano minimiza fase argentina: 'Quando a Copa começa, acaba o favoritismo'

Zagueiro da seleção da Argentina lembra campanha de 2014, quando foi à final sem estar entre favoritos

Estadão Conteúdo

07 Junho 2018 | 16h06

Mesmo contando com nomes como Di María, Higuaín, Agüero e, principalmente, Lionel Messi, a Argentina chega sob desconfiança à Copa do Mundo. A dificuldade para garantir a vaga nas Eliminatórias Sul-Americanas e os resultados recentes - incluindo derrotas por 4 a 2 para a Nigéria e 6 a 1 para a Espanha - deixaram o torcedor desconfiado.

 

 

Justamente por este motivo, a seleção pouco tem sido lembrada por jogadores e técnicos dos mais diversos países quando perguntados sobre os favoritos ao título. Brasil, Alemanha, Espanha e França são os nomes mais citados. Mas Mascherano fez questão de minimizar esta desconfiança.

"Há seleções que estão em um melhor nível, mas podemos competir. Em 2014, também não éramos candidatos e chegamos à final. Falava-se do Brasil, por ser anfitrião, da Espanha, que vinha do título na Copa anterior, e da Alemanha. Quando começa a Copa, acaba o favoritismo, se vê a realidade da equipe e começam a aparecer novos favoritos", declarou em entrevista à ESPN argentina.

Mascherano explicou que parte da sua confiança no sucesso da Argentina passa pela preparação realizada pela seleção em Barcelona. O técnico Jorge Sampaoli finalmente está tendo tempo de testar diversas novidades na equipe, o que pode ser fundamental para o futuro na Copa.

"Estamos trabalhando um estilo pragmático, com diversas maneiras de jogar. Estamos nos preparando para solucionar qualquer situação que o rival nos propor. É bom que a equipe tenha variáveis. A ideia é sermos protagonistas, buscamos ser uma equipe confiável", afirmou.

A seleção realizou mais um treino nesta quinta no CT do Barcelona, sob forte chuva. A Argentina está no Grupo D da Copa do Mundo, ao lado de Croácia, Nigéria e Islândia, adversária da estreia no dia 16 de junho, em Moscou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.