Mascherano tem estréia de gala

Peito estufado e cabeça erguida, Javier Mascherano pisou pela primeira vez em um campo de futebol com a camisa do Corinthians. Os 21 anos não serviam como desculpa. Ele sabia que estava no centro dos holofotes. Seu precoce talento o fez titular da Seleção Argentina e capitão do River Plate, umdos times tradicionais do continente.?Meu filho vai mostrar o futebol que vocês, brasileiros, esperam?, prometia o pai Oscar, que fez questão de ficar em São Paulo para ver a estréia do filho.Ao final da partida, depois da vitória de virada, por 3 a 1, Mascherano mostrou que seu pai estava certo.?Eu pude jogar como gosto. O clássico me lembrou em tudo Boca e River. Todos queriam ganhar essa partida. Conseguimos, o que foi ótimo. Senti que o Corinthians tem um excelente potencial para brigar por títulos. O grupo é jovem, tem ambição. E a torcida é mesmo impressionante, empurra o jogador. Tenho certeza de que serei feliz aqui.?Com a camisa 3 nas costas, Mascherano tinha a missão de começar a justificar os US$ 15 milhões que a MSI pagou ao River Plate por seu passe precisavam começar a ser justificados diante do odiado rival Palmeiras.Com personalidade, Mascherano mostrou o estilo que o consagrou. Entrou forte nas divididas, não teve vergonha de dar carrinho, chutou ao gol. Reclamou, reclamou até levar cartão amarelo de Wílson Seneme.Com muita raiva viu o Corinthians sofrer o primeiro gol do jogo aos seis minutos do segundo tempo. Saiu nervoso da área depois do gol de Leonardo. Um minuto depois, comemorava como um menino ? que é ? o empate de Gustavo Nery.Sentia pela primeira vez a vibração da torcida corintiana que incendiava o Morumbi. Mas havia mais, quando Rosinei virou o jogo, Mascherano se perdeu no mar de abraços dos corintianos.Mas faltava deixar a sua marca, a participação real na vitória corintiana. E ela foi emblemática. Com personalidade partiu para cima do paraguaio Gamarra que levava a bola pela intermediária. Não teve respeito pelos 13 anos a mais que o paraguaio tem e a tomou. De cabeça erguida, descobriu Jô livre pela direita. O cruzamento foi para nos pés de Rosinei: 3 a 1, Corinthians. Os próprios jogadores do Corinthians foram festejar a ótima jogada do vibrante estreante.A partir daí, guardou posição. O desgaste físico começava a se manifestar e esperto, ficou mais à frente da zaga. Até o jogo acabar.?Tudo saiu como eu gostaria. Mas eu não quero que as pessoas destaquem o meu futebol. Quem ganhou foi o grupo. Se joguei bem foi graças aos meus companheiros. Eu não individualizo nada. Em uma equipe vencedora ninguém é mais do que ninguém?, afirma com o tom de voz de quem será o novo capitão corintiano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.