José Patrício/Estadão - 12/03/2009
José Patrício/Estadão - 12/03/2009

Mate Saudade: Relembre a estreia marcante de Washington no São Paulo

Coração Valente marcou dois gols contra a Portuguesa em 2009, na primeira partida pelo Tricolor

Denise Bonfim, O Estado de S. Paulo

12 de março de 2014 | 17h13

SÃO PAULO - Assim como Alexandre Pato, que faz nesta quarta-feira sua estreia com a camisa do São Paulo cercado de expectativas, outro jogador chegou ao Morumbi pronto para brilhar em 2009. A equipe, campeã brasileira no ano anterior, preparou-se para receber Washington, um exímio fazedor de gols. Logo na estreia, o atacante, conhecido como Coração Valente, marcou os dois gols da vitória da equipe sobre a Portuguesa, dando seu cartão de visitas à torcida são-paulina no  Canindé.

Mesmo revezando a titularidade com Borges, Washington foi uma das peças fundamentais no ano do Tricolor, que terminou em terceiro lugar no campeonato nacional. Vindo do Fluminense, o terceiro maior artilheiro do nacional em 2008 se tornou o maior goleador da equipe paulista desde a saída de Luis Fabiano, em 2004.

Mas a história de Washington começou muito antes da passagem com início arrasador pelo São Paulo. Nascido em Brasília, o clássico centroavante bateu recordes de artilharia por onde passou. Os problemas de saúde deram um tom de drama à vitoriosa trajetória no futebol, que ele consegue definir em apenas uma palavra: "superação."

CORAÇÃO

Aos 21 anos, durante um tratamento contra uma lesão no joelho que o afastou do Caxias-RS por um mês e meio, Washington foi diagnosticado com diabetes, sendo obrigado a fazer uso diário de insulina. Antes de chegar ao ponto alto de sua carreira, passou por Internacional, Grêmio, Ponte Preta e Paraná, sempre retornando ao seu clube de origem, o Caxias. Em sua segunda passagem pela Ponte, o centroavante viu seu futebol deslanchar. Artilheiro do Paulistão, da Copa do Brasil e vice do Brasileirão em 2001, ele foi vendido a peso de ouro para o Fenerbahce, da Turquia.

Na ida para o futebol europeu, o coração aprontou uma surpresa. Após estrear pelo time turco marcando quatro gols e participar de uma série de vitórias da equipe, Washington deu entrada no hospital com dores no peito. A lesão na artéria, que causou um princípio de infarto, dramatizava ainda mais a vida do artilheiro. Sem receber salário do time turco, acertou sua volta ao Brasil, para defender o Atlético-PR.

O período de 14 meses sem atuar não afetou o rendimento dentro do campo. O atacante marcou um gol logo na partida de estreia. Àquela altura, Washington já havia sido operado duas vezes. "Só eu sei pelo que tive de passar para chegar onde cheguei. Depois de vencer todos os obstáculos e adversários dentro e fora de campo, sinto orgulho de mim mesmo. Superei muitas coisas para vencer no futebol e na vida", conta.

Bem no futebol paranaense, Washington mudou-se para o Japão, onde construiu uma carreira sólida passando por Tokyo Verdy e Urawa Red Diamonds. "Foi uma experiência diferenciada na minha vida. Aprendi muito. Cresci como jogador e principalmente como pessoa."

Decidiu, então, que era mais uma vez hora de voltar para casa, e aos 32 anos, assinou com o Fluminense. Pelo Tricolor carioca, foi decisivo nas disputas do campeonato estadual e da Libertadores. No Brasileirão, teve grande contribuição na campanha da equipe. Transferido para o São Paulo no fim de 2008, ficou na equipe paulista até 2010. Ao todo, fez 19 gols em 39 partidas.

Com a chegada de Fernandão e Ricardo Oliveira, Washington perdeu espaço no clube, e acabou retornando ao Fluminense. A lesão de Fred na reta final do Brasileirão fez com que ele formasse dupla de ataque com Emerson, e os dois jogadores levaram a equipe ao título nacional de 2010. "É muito gratificante você ter plena noção de que marcou seu nome na história do futebol brasileiro. Realmente me deixa muito feliz."

ADEUS

Em 2011, no centro de treinamento do Fluminense, Washington anunciou o fim de sua carreira, aos 35 anos. Garantindo estar bem de saúde, foi homenageado com um placa comemorativa durante o intervalo de uma partida no Engenhão. Defendendo as três cores do clube, Washington marcou 45 gols em 83 jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.