Otávio Magalhães/Estadão
Otávio Magalhães/Estadão

Mate saudade: Rincón, o volante colombiano que conquistou a Fiel

Ex-jogador marcou partida no Brasileirão de 1998 com um belo gol; relembre o lance e sua trajetória

Denise Bonfim, O Estado de S. Paulo

15 de outubro de 2013 | 10h42

SÃO PAULO - Se os torcedores mais recentes sentem saudade de Paulinho no meio de campo do Corinthians, quem acompanhou a equipe na década de 90 guarda Rincón em um lugar especial da memória. Meia de origem, o colombiano chegou ao time do Parque São Jorge em 1997, após passagens por Palmeiras e Napoli, e acabou se encaixando na equipe como volante. E dali não saiu mais. Se tornou o capitão, e um dos homens de confiança na campanha dos títulos brasileiros de 1998 e 1999.

O ano era 1998, e antes de levar o título, o Corinthians fez uma bela campanha na primeira fase - há 15 anos, o Brasileirão era disputado com outro formato. Em um primeiro momento, as 24 equipes participantes se enfrentavam em turno único, e os oito primeiros colocados se classificavam para o mata-mata. Assim, o Alvinegro finalizou a primeira fase na primeira colocação, com 14 vitórias, 4 empates e apenas 5 derrotas, e treinado por Wanderley Luxemburgo, foi para as quartas de final enfrentar o Grêmio.

Três jogos foram disputados para definição do time que se classificaria para as semifinais. E na primeira partida, ainda do Estádio Olímpico, em Porto Alegre, foi com um golaço do xerife colombiano que o Corinthians saiu na frente da contagem:

No segundo jogo, só deu Grêmio. Em pleno Pacaembu, Itaqui e Clóvis sobraram para marcar o 2 a 0 que levou novamente os times para o campo. Desta vez, Edílson deixou o seu, e o 2 a 2 na soma dos placares classificaram o time paulista. Naquele campeonato, o time ainda teve Santos e Cruzeiro pela frente, mas sagrou-se bicampeão brasileiro.

O status de ídolo da torcida chegou dois anos mais tarde. O volante foi peça fundamental na campanha que levou o Corinthians ao primeiro título do Mundial de Clubes, e foi ele que levantou a taça de campeão em pleno Maracanã, ao vencer o Vasco nas penalidades. Ao todo, o colombiano defendeu a camisa alvinegra por três anos, passando por mais times brasileiros na sequência - Santos, Cruzeiro -,em 2004, retornou ao time paulista, mas sem o mesmo sucesso da primeira passagem.

ESTATÍSTICAS

Pelo Corinthians, Rincón esteve presente em 158 jogos, marcando 11 gols. Capitão da equipe, ergueu as taças do Campeonato Paulista 1999, Brasileirão 1998 e 1999 e Mundial de Clubes, em 2000. No Palmeiras, venceu a edição de 1994 do estadual.

Após encerrar a carreira, Rincón tentou a carreira de treinador, e retornou ao Corinthians para comandar a base. Sem sucesso, foi contratado por Iraty, São Bento, São José, Flamengo-SP e como assistente técnico do Atlético-MG, em 2010. O jogador retornou a Colombia, onde vive, se recuperando de uma acidente de carro sofrido em agosto de 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.