Materazzi, o reserva que decidiu a Copa do Mundo

Foi um jogo dramático, como todo final de Copa, com muitos heróis, mas nenhum tão presente em lances decisivos quanto o já experiente Marco Materazzi, 33 anos, defensor da Inter de Milão. Foi ele quem, logo no início, fez o pênalti em Malouda - o lance que deu à França a vantagem no marcador. Mais tarde, aproveitando um escanteio batido por Pirlo, subiu mais que todos, com seus 1m93 de altura, e cabeceou para as redes de Barthez - um lance vital, antes que a Itália ficasse nervosa. Na terceira intervenção, valeu a malandragem, a provocação - e o experiente Zidane, já coberto de louros, fazendo o último jogo de sua carreira, caiu. Eram 5 minutos da segunda fase da prorrogação, e os dois tiveram um atrito em uma disputa de bola. Materazzi saiu desfiando xingamentos - segundo o Fantástico, da TV Globo, teria chamado de prostituta a irmã de Zidane, entre outras baixarias - e o francês se descontrolou. Deu-lhe a cabeçada, ele caiu de modo exagerado, tornando ainda mais indefensável a agressão. A França se abalou, ficou com dez homens e perdeu um grande cobrador de pênaltis. A Itália ganhou confiança. E, para finalizar, Materazzi cobrou muito bem o segundo pênalti da série que levou a Itália ao tetracampeonato. De novo, ninguém se lembrou de quem chegou à Alemanha como o grande titular da posição, Alessandro Nesta.

Agencia Estado,

09 Julho 2006 | 23h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.