Alessandro Garofalo/Reuters
Alessandro Garofalo/Reuters

Materazzi tenta minimizar provocação com Berlusconi

Zagueiro comemorou a vitória sobre o Milan ao utilizar uma máscara do primeiro-ministro italiano

AE, Agencia Estado

25 de janeiro de 2010 | 17h40

Ao término da vitória da Inter de Milão sobre o Milan neste domingo, uma imagem surpreendeu: o zagueiro Marco Materazzi saiu comemorando do banco de reservas com uma máscara de Silvio Berlusconi, presidente do Milan e primeiro-ministro italiano.

A suposta provocação, que rendeu muita polêmica nesta segunda-feira, foi minimizada pelo jogador. Sua atitude foi apenas uma grande brincadeira, segundo explicou o zagueiro em seu site oficial, e não teve qualquer motivação política.

"Como sempre, o que faz Materazzi gera discussão. Era apenas uma máscara de carnaval, dessas que se vendem em lojas, e que comprei para festejar a vitória", explicou Materazzi, famoso por levar uma cabeçada de Zidane na final da Copa do Mundo de 2006.

"Não havia nada polêmico, nenhuma vontade de ofender, nenhuma implicação política. Até porque política, e quem me conhece sabe bem, é um assunto que não me envolvo", continuou se defendendo o zagueiro, que acredita que o próprio Berlusconi tenha achado graça da brincadeira. "Estou seguro de que Berlusconi, na qualidade de presidente do Milan e sobretudo como pessoa com grande senso de ironia, sorriu ao me ver com a máscara", argumentou Materazzi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.