Matonense: presidente exige dignidade

O folclórico presidente da Matonense, Antonio Aparecido Galli, está preocupado com a situação do seu time no Campeonato Paulista da Série A-1. Atualmente ocupando a décima quarta colocação na classificação geral com sete pontos, o time de Matão faz a pior campanha de sua breve história na divisão principal. Esse fato fez com que o dirigente reunisse os jogadores e a comissão técnica para pedir, acima de tudo, dignidade."O time não pode ficar como está. Vocês têm que mudar isso. A Matonense precisa fazer pelo menos uma campanha digna", determina o presidente, que passou os últimos dias debruçado em sua mesa fazendo contas e analisando detalhadamente a tabela. O mesmo discurso está sendo adotado pela comissão técnica. Mauro Fernandes, treinador do time, aposta que, para escapar do rebaixamento, a equipe precisa vencer pelo menos três partidas na competição."Temos sete jogos pela frente e estamos com sete pontos ganhos. Se ganharmos três partidas, chegaremos aos dezesseis pontos. Acredito que, com isso, estaremos livres do rebaixamento", diz. Ninguém mais no clube fala em classificação. Afinal, para que isso acontecesse, o time precisaria vencer todas as partidas e ainda torcer por algumas combinações de resultados.Para ajudar o time, dos sete jogos que faltam, quatro serão disputados em Matão. O primeiro deles será somente no dia 25 de março, contra o Botafogo.Neste final de semana a Matonense enfrenta a Portuguesa em São Paulo. Sem poder contar com o lateral Piá Carioca, suspenso pelo segundo cartão amarelo, o treinador busca um substituto, que pode ser o volante Marcelinho, improvisado.A novidade é a liberação do atacante Juari, que cumpriu suspensão na partida contra a Ponte Preta. Mesmo assim, ele deve ser opção no banco de reservas, já que o ataque está agradando com Gílson Batata e o garoto Grafite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.