Matthäus cutuca Klinsmann e diz que seleção é muito fraca

O ex-técnico do Atlético-PR e campeão mundial pela Alemanha na Copa da Itália, em 1990, quebrou o silêncio e näo poupou seu colega de equipe naquela conquista, afirmando nesta quarta-feira, em evento publicitário em Frankfurt, que a seleção alemã ?näo passa das oitavas-de-final? no próximo Mundial. "O time sai da Copa se encarar, pelas oitavas, a Inglaterra ou a Suécia. Nós simplesmente näo temos o potencial que estas duas equipes têm", alfinetou o recordista de partidas pela Alemanha em Mundiais ao Serviço Alemão de Informação Esportiva."Para mim seria um milagre se a equipe alemã chegasse à final. Nós näo temos o potencial para ficarmos entre os dez", criticou Matthäus. Sobre a permanência de Klinsmann à frente da seleção após o Mundial, o ex-jogador foi evasivo. ?Se ele for campeão mundial, provavelmente ele encerra seu trabalho. Se ele sair nas oitavas, como eu temo, seu sistema estará falido", analisou o alemão.Ainda sobre o projeto de Klinsmann, Matthäus foi mais longe. ?Ele teria de procurar uma melhor coordenação com os treinadores dos clubes da Bundesliga como também deveria buscar mais contato com os jogadores. Quando näo se fica muito tempo aqui (na Alemanha) como ele, näo há como fazer isso?. Matthäus manteve o suspense sobre seu futuro, näo confirmando a volta para a Alemanha. ?(Volto) Apenas se os responsáveis estiverem convencidos que com minhas capacidades sou o homem certo. Senäo continuo no exterior".No único elogio ao seu desafeto Klinsmann, Matthäus afirmou que gostou da convocação de Jens Nowotny para a zaga alemã. Ainda assim, acusou o treinador de voltar atrás e de ser alguém rancoroso. ?Como Nowotny, Klinsmann poderia chamar Mehmet Scholl (Bayern). Mas ele é muito ressentido?, completou.

Agencia Estado,

26 de abril de 2006 | 15h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.