Carl Recine / Reuters
Carl Recine / Reuters

Matthäus vê Özil 'sem coração' na Alemanha e critica foto com presidente turco

Campeão da Copa em 1990, ex-meiocampista pede que Joachim Löw faça mudanças no time titular

Estadão Conteúdo

19 Junho 2018 | 10h50

Os ataques da imprensa alemã à atuação na derrota para o México na estreia da Copa do Mundo foram intensos, mas nesta terça-feira, Lothar Matthäus utilizou sua coluna no jornal Bild para fazer críticas em particular a um jogador. O campeão mundial de 1990 não poupou o meia Mesut Özil por suas atuações recentes com a camisa do país.

+ Mourinho aprova tropeços de Alemanha e Brasil: 'Dia incrível para o futebol'

+ Após derrota, alemães se preocupam com possível confronto com Brasil nas oitavas

+ Alemanha se torna a 3ª campeã mundial seguida a naufragar em estreias de Copa

"Com o Özil em campo, eu constantemente tenho a sensação de que ele não se sente confortável com a camisa da seleção alemã. Não está se sentindo livre, é quase como se não quisesse jogar. Não há coração, não há diversão e não há paixão", escreveu o ex-jogador de 57 anos.

De fato, Özil vem sendo bastante criticado por seu histórico recente com a seleção, após a conquista do título mundial no Brasil, em 2014. Na queda para o México, domingo passado, o jogador pouco apareceu em campo, o que o tornou um dos alvos da imprensa nacional.

Sem citar especificamente o nome de Özil, Matthäus pediu que o técnico Joachim Löw considere mexer na equipe para a segunda partida da Alemanha na Copa, contra a Suécia, sábado em Sochi. O ex-jogador ainda reacendeu a polêmica sobre a foto do meia, descendente de turcos, com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.

 

"Özil não compreendeu porque existe uma polêmica assim sobre ele na Alemanha. Não é consciente do que a gente espera de um jogador da seleção nacional da Alemanha. Achou que tudo bem que, depois do erro com as fotos com Erdogan, tenha reafirmado seu compromisso com a Alemanha", apontou Matthäus.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.