Mau começo não preocupa Cruzeiro

Campeão mineiro, brasileiro e da Copa do Brasil em 2003, o Cruzeiro ainda não conseguiu vencer em partidas oficiais neste ano. Mesmo depois de ter feito grandes contratações, como as de Rivaldo e Guilherme, o time sofreu duas derrotas seguidas no campeonato estadual. Mas a explicação já está pronta: o grupo está longe das condições físicas ideais e sofre com falta de entrosamento.A primeira derrota ocorreu logo na estréia do time, em pleno Mineirão. O modesto Valério Doce, de Itabira, que possui uma folha salarial que não ultrapassa R$ 30 mil, surpreendeu os cruzeirenses e venceu a partida por 1 a 0. Já na terceira rodada, pelo mesmo placar, a Caldense, de Poços de Caldas, também bateu o Cruzeiro."A derrota no início de uma temporada é um resultado normal. Faz parte do planejamento traçado pela comissão técnica", explica o técnico Vanderlei Luxemburgo.Apesar das explicações do treinador, o torcedor já começa a olhar com desconfiança para determinados setores da equipe. Um deles é o ataque, o mais modificado em relação ao do ano passado, que marcou 102 gols no Brasileiro. Em 2003, a força ofensiva cruzeirense contava com Deivid - que deixou o clube ao final do primeiro turno do Nacional -, Aristizábal, Mota e Márcio Nobre, que não renovaram seus contratos para esta temporada.Para compensar, foram contratados o pentacampeão Rivaldo, de 31 anos, que a sete e meio atuava na Europa, o ex-atleticano Guilherme, que ainda não estreou por estar com documentação irregular, Lima, ex-Coritiba, e Jussiê, que retornou após ter sido emprestado ao Kashiwa Reysol, do Japão.O outro setor que gera desconfiança é o meio-de-campo. Em 2003, o armador Alex reinava absoluto como maestro do time. Iniciava e, muitas vezes, concluía as jogadas com o apoio de volantes, como o chileno Maldonado, Augusto Recife e Wendell. Mas, neste início de temporada, o meia Martinez, que era titular no ano passado até sofrer, em 26 de abril, uma contusão no joelho direito que o tirou do restante da temporada, voltou como titular, ao lado de Felipe Melo, que ganhou a posição de Recife.As mudanças não foram assimiladas ainda por Alex, Martinez, Rivaldo e Jussiê, que não conseguiram encontrar o melhor posicionamento em campo."Os jogadores têm talento e superam a parte física com a parte técnica. Mas estreamos no Estadual ainda na pré-temporada. Não é desculpa, mas estamos tropeçando porque não fizemos uma preparação boa e adequada. E fica evidente que precisamos melhorar muito no comportamento da equipe, na vontade e na proposta para este ano. É nisso que estou batendo mais", afirmou Luxemburgo.Apesar de um começo de temporada com derrotas, o treinador disse que continuará escalando a equipe principal no campeonato estadual, mesmo colocando em risco a preparação para a Copa Libertadores. "Nunca dissemos que iríamos priorizar essa ou aquela competição. Quem quer vencer, precisa superar as dificuldades. Não é porque perdi dois jogos no Mineiro, que vou deixar de privilegiar o Estadual. Além do mais, a competição apenas começou e temos muitos jogos pela frente", garantiu Luxemburgo.

Agencia Estado,

29 de janeiro de 2004 | 18h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.