Mauro Silva quer ser líder na seleção

Ainda hoje se juntaram à Seleção Brasileira, na Granja Comary, o goleiro Dida, o zagueiro Roque Júnior e o meia Mauro Silva. Dida não quis falar sobre o processo que responde na Justiça italiana, referente ao uso de passaporte falso. "Não tenho nada a declarar", foi o que disse. Mauro Silva, que volta à seleção depois de três anos, revelou a sua surpresa com a convocação. Ele disse que poderá exercer o papel de líder em campo, desde que, evidentemente, seja escalado como titular. "Se tiver de gritar, vou gritar." Mauro falou de seu desapontamento com críticas que costuma ler pela Internet sobre uma suposta má vontade em jogar na seleção dos brasileiros que atuam no exterior. "Dizem que somos ricos e que por isso não nos impostamos mais com a seleção; não é verdade." Agora, ele quer firmar-se no grupo, continuar jogando pelas eliminatórias, disputar a Copa América e finalmente chegar a uma nova Copa do Mundo. Contundidos - O zagueiro Lúcio, com entorse no pé esquerdo, e o meia Geovanni, com tendinite no joelho direito, ficarm fora dos treinos de hoje. O primeiro deve voltar às atividades amanhã ou sexta. A situação de Geovanni ainda é incerta.

Agencia Estado,

20 de junho de 2001 | 19h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.