Mauro viveu uma reviravolta no Santos

Mauro começou o ano como terceiro goleiro do Santos. Na Libertadores, enquanto Doni era o titular da camisa 1 e Júlio Sérgio se sentava no banco de reservas com a 12, ele assistia aos jogos do time pela tevê, em casa, com a mulher e o filho Mateus, de dois anos. Nem tinha como sujar a camisa 24, número com que foi inscrito naquele torneio. "Sabia que precisava esperar. Uma hora, a chance iria surgir", contou Mauro.O tempo passou e a chance acabou surgindo. Doni foi dispensado, Júlio Sérgio andou falhando e a contratação do chileno Tápia, em julho, foi um fiasco. Foi aí que o técnico Vanderlei Luxemburgo resolveu testar Mauro. "Devo muito ao professor Vanderlei. Ele apostou em mim, mostrou confiança em mim", admitiu Mauro.Essa confiança foi importantíssima porque nem mesmo Mauro acreditava em si mesmo. "Se eu falar que, em janeiro, eu esperava terminar o ano assim, como titular de um time grande e podendo conquistar o título brasileiro, vou estar mentindo", reconheceu.Mauro passou o último Natal como jogador de segunda divisão (atuava no Marília). "E agora posso ganhar o primeiro título da minha carreira, e justamente aquele que é o mais almejado por todos, o de campeão brasileiro", afirmou o goleiro.Uma reviravolta e tanto para uma carreira que já dura 12 anos. "Fiquei dez anos no Mogi Mirim, clube da minha cidade, e mais dois no Marília. Mas é claro que minha meta sempre foi, um dia, chegar a um time grande como o Santos", disse Mauro, 27 anos, pronto para enfrentar o Vasco neste domingo, em São José do Rio Preto. "Por isso, falo que este é o jogo da minha vida!" O goleiro é mais um dos jogadores que foram contratados sob a desconfiança da torcida. Os titulares Ávalos e Fabinho e os reservas Flávio, Bóvio e Marcinho são outros "desconhecidos" que conquistaram espaço no Santos aos poucos, compondo o elenco que pode se sagrar campeão brasileiro de 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.