Bruno Domingos/Mowa Press
Bruno Domingos/Mowa Press

Maxwell festeja chance com Felipão: 'É um privilégio'

Lateral-esquerdo foi chamado após Scolari deixar fora da lista Filipe Luís, do Atlético de Madrid

AE, Agência Estado

13 de agosto de 2013 | 09h52

BASILEIA - Principal novidade da seleção brasileira convocada para defender a Suíça, nesta quarta-feira, às 15h45 (de Brasília), no St. Jacob Park Stadium, na Basileia, o lateral-esquerdo Maxwell festejou, em solo suíço, o fato de que ganhou a sua primeira chance de defender o time nacional sob o comando de Luiz Felipe Scolari.

O jogador do Paris Saint-Germain, que completará 32 anos no próximo dia 27, não escondeu a empolgação com o seu reencontro com a seleção. Essa foi apenas a terceira vez que ele foi convocado para defender o time nacional em sua carreira, sendo que o atleta admitiu que não esperava ser chamado neste momento por Felipão.

"Fazer parte agora do grupo é um privilégio. Estou feliz pela oportunidade e de estar revendo amigos com os quais já joguei. Todo mundo me recebeu bem, não só as pessoas que já jogaram comigo, mas o grupo me recebeu muito bem e é importante você se sentir bem e cômodo", disse Maxwell, em entrevista ao site da CBF.

Maxwell acabou sendo chamado após Scolari deixar fora desta lista de convocados para o duelo com os suíços o lateral Filipe Luís, que havia sido chamado para disputar a Copa das Confederações, conquistada pelo Brasil no fim de junho. E agora o jogador espera provar que merece brigar ao menos para ser o reserva de Marcelo, hoje titular da lateral esquerda da equipe nacional e elogiado pelo atleta do PSG na Suíça ao ser questionado sobre qual jogador ele se espelha em sua posição.

"O Brasil sempre foi marcado por vários jogadores, talvez quem teve mais regularidade foi o Roberto Carlos, que virou a referência para todo mundo. Mas o Brasil sempre foi bem representado, tem o Marcelo e outros jogadores que têm muita qualidade também", destacou Maxwell, que foi revelado pelo Cruzeiro e depois passou por Ajax, Inter de Milão e Barcelona, antes de se transferir para o PSG.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.