Franck Fife/AFP
Franck Fife/AFP

Mbappé brilha, PSG vence o Nîmes e abre 17 pontos de vantagem na ponta do Francês

Atacante francês marca duas vezes no triunfo por 3 a 0 no Parque dos Príncipes

Redação, Estadão Conteúdo

23 de fevereiro de 2019 | 15h30

Mesmo sem Neymar e Cavani, ausentes dos últimos jogo em razão de lesão, o Paris Saint-Germain caminha a passos largos para a conquista do bi do Campeonato Francês. Neste sábado, o time parisiense contou com dois gols de Kylian Mbappé para vencer o Nîmes por 3 a 0 em casa, no Parque dos Príncipes, e abrir uma distância de 17 pontos na liderança do torneio.

O PSG, que perdeu apenas uma vez e empatou outras duas no torneio, chegou aos 68 pontos e ainda foi ajudado pelo resultado do Lille, vice-líder, que empatou em 1 a 1 com o Strasbourg na abertura da rodada, na sexta-feira. O Lyon é o terceiro colocado e pode colar no Lille. O Nîmes aparece na 11ª posição, com 36 pontos.

Faltando 12 rodadas para o término da competição, é muito provável que o time de Mbappé e companhia levante a taça com muitas rodadas de antecedência, algo que vem se tornando rotina para o PSG nos últimos anos.

Na ausência de Neymar e Cavani, Mbappé assumiu o protagonismo do time nas últimas partidas. Neste sábado, não foi diferente. O jovem francês balançou as redes duas vezes, ambas no segundo tempo, chegou à marca de 22 gols e disparou na liderança da artilharia do torneio. Mbappé briga com Messi, atualmente, pela Chuteira de Ouro, prêmio concedido ao maior goleador de um campeonato nacional na Europa na temporada.

Além de Mbappé, que teve um gol anulado pelo árbitro de vídeo (VAR), Christopher Nkunku também deixou a sua marca. O jovem meia, uma das principais promessas do futebol francês, abriu o caminho para o triunfo do PSG com um gol no final da primeira etapa, após completar assistência de Verrati. Nkunku também deu o passe para o último gol de Mbappé, no final da partida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.