Médico descarta dengue em Romário

Romário, o jogador mais polêmico do futebol brasileiro, não apareceu em Campinas. Vítima de uma virose, o "baixinho marrento" frustou a expectativa dos torcedores campineiros ao não desembarcar junto à delegação do Vasco da Gama que enfrentou o Guarani, no estádio Brinco de Ouro. O médico vascaíno, Fernando Mattar, descartou a possibilidade do jogador ter contraído o vírus da dengue, cuja epidemia contagia o Rio de Janeiro. "O quadro clínico do Romário é bem mais simples. No caso de dengue, só poderíamos constatar a doença através de exames laboratoriais", explicou o médico, salientando ainda que Romário sentiu-se mal por volta das 23h00, com um quadro de febre e dores no corpo. O médico também descartou qualquer ligação desta virose com o problema que Romário sofreu, na semana passada, no clássico com o Flamengo, no Maracanã. "Certamente não existe nada relacionado, porque o Romário treinou durante toda a semana e no sábado cedo participou normalmente do treino de dois toques", completou. Mas o veto a Romário só aconteceu domingo cedo quando os jogadores se apresentaram em São Januário, uma vez que a direção do clube aboliu a concentração. A delegação viajou em vôo fretado para Campinas, descendo no Aeroporto de Viracopos. Outro desfalque foi o atacante Euller, o "Filho do Vento", vetado pelo departamento médico por causa de uma contusão no pé esquerdo. A maior parte dos torcedores que foi ao Brinco de Ouro para ver Romário acabou se frustrando. A notícia foi veiculada nas emissoras de rádio por volta das 15h00, mas só confirmada com a entrada do time carioca no gramado. O técnico vascaíno, Evaristo de Macedo, lamentou a ausência de seu artilheiro. Reação positiva teve Zé Mário, técnico do Guarani, despistando ao elogiar os outros atacantes do adversário. Ninguém, porém, à altura de Romário. O "baixinho" perdeu mais uma chance de mostrar suas condições atuais ao técnico Luiz Felipe Scolari, da seleção brasileira. E Felipão ganhou um final de semana sem sofrer pressão, tão comum a cada gol marcado por Romário.

Agencia Estado,

17 Março 2002 | 17h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.