Gilvan de Souza/Flamengo
Gilvan de Souza/Flamengo

Médico do Flamengo diz que cirurgia no ombro de Diego Alves foi bem-sucedida

Goleiro fraturou a clavícula durante jogo decisivo pela Copa Sul-Americana e teve que ser substituído

Estadão Conteúdo

25 Novembro 2017 | 18h34

O goleiro Diego Alves, do Flamengo, passou por uma cirurgia na manhã deste sábado no Hospital Samaritano, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, para corrigir uma fratura na clavícula sofrida em um choque na partida contra o Junior Barranquilla, da Colômbia, no primeiro encontro entre os times pela semifinal da Copa Sul-Americana, no Maracanã, vencida pelo time carioca por 2 a 1.

+ Leia mais notícias sobre o Flamengo

+ Confira a tabela de classificação do Campeonato Brasileiro

+ Fla confirma cirurgia e Diego Alves fora por pelo menos dois meses

"O procedimento foi realizado com sucesso pelo doutor Max Ramos, acompanhado por mim, pelo doutor Gustavo Caldeira, que também é medico do Flamengo. A alta dele está prevista para amanhã (domingo) de manhã. A gente espera que ele possa estar retornando para a fisioterapia o mais breve possível", revelou o chefe do departamento médico do Flamengo, Márcio Tannure, em vídeo postado nas redes sociais do clube rubro-negro.

De acordo com a previsão inicial dos médicos, Diego Alves deverá permanecer dois meses afastado dos gramados. Desta forma, o goleiro não atuará pelo Flamengo nas duas rodadas finais do Brasileirão (contra Santos, no Rio, e Vitória, em Salvador), além de perder a segunda partida da semifinal da Sul-Americana - e as duas partidas da decisão, caso o time chegue à final do torneio.

Diego se machucou aos 19 minutos do primeiro tempo do duelo contra o time colombiano, disputado na quinta passada. O goleiro saiu da meta para tentar abafar a chegada do meia Yony González. Ele teve que ser substituído por Alex Muralha e deixou o Maracanã para fazer exames de imagem. A confirmação da fratura ocorreu poucas horas depois.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.