Andrew Medichini / AP
Andrew Medichini / AP

Médico do Uruguai diz que Giménez sentiu apenas incômodo, mas não garante retorno

Caso zagueiro titular não possa atuar, Coates entrará na partida diante de Portugal

Estadão Conteúdo

27 Junho 2018 | 10h42

O médico da seleção uruguaia, Alberto Pan, concedeu entrevista coletiva nesta quarta-feira para esclarecer a situação do zagueiro José Giménez, que voltou a treinar após desfalcar a equipe na última partida da primeira fase da Copa do Mundo, contra a Rússia. De acordo com o integrante da comissão técnica, o jogador do Atlético de Madrid não teve nenhuma lesão grave, o que possibilitou o rápido retorno.

+ Uruguai confia na boa fase de Cavani e Suárez para superar Portugal nas oitavas

+ Com dores musculares, Guerreiro e Martins desfalcam Portugal em treino

"Ele (Giménez) sentiu um incômodo no primeiro minuto da primeira partida. Após o jogo, fizemos trabalhos de recuperação. Teve uma boa evolução e voltou a participar na segunda partida, em que teve outro incômodo. Os sintomas persistiram, elaboramos uma estratégia para abaixar a carga e elaborar estudos. Fizemos uma estratégia de trabalho que nos levou a hoje, quando trabalhou com boa tolerância", explicou.

Giménez voltou a trabalhar com os companheiros nesta quarta, mas ainda com carga reduzida. Alberto Pan revelou que o zagueiro só voltará a treinar normalmente na quinta e se mostrou otimista sobre a possibilidade de ele atuar diante de Portugal, no sábado, pelas oitavas de final.

"Hoje, trabalhou com boa intensidade, e amanhã, vai integrar o trabalho grupal. Parece que os dias foram meses, mas foram apenas três dias. Fez um trabalho diferenciado para recuperar a dor muscular, que não era tão grave. A partir da resposta (de amanhã), que esperamos que seja positiva, ficará nas mãos do treinador", comentou.

 

O médico ainda atacou alguns veículos da imprensa local, que garantiram que Giménez tinha uma lesão muscular importante, seria desfalque contra Portugal e poderia até ser cortado da delegação. "Lamentamos que às vezes recorram a fontes que não são oficiais. Nunca ocultamos informação. Somos muito respeitosos com o direito que o público tem de ter informação e ao direito dos jornalistas."

Caso a recuperação de Giménez não ocorra conforme o esperado e ele de fato desfalque o Uruguai, Coates se disse pronto para substitui-lo novamente, como fez diante da Rússia. Mas ele próprio garantiu torcer para a recuperação do companheiro, mesmo que isso signifique a perda da vaga na equipe.

"Toda a equipe se sacrifica. A gente viu na partida passada. É um pouco o que é este grupo, em que todos defendem. Giménez, como outros companheiros, é importantíssimo. Somos um grupo muito forte e muito lindo. Jogue quem jogar, vai estar preparado para a ocasião", apontou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.