Médico que operou Pelé em 2012 rebate e nega erro em cirurgia

Médico que operou Pelé em 2012 rebate e nega erro em cirurgia

'Não existe nada de erro médico', conforme Pelé disse. 'Ele entendeu errado', disse o dr. Roberto Dantas

Vítor Marques, Estadão Conteúdo

07 de abril de 2016 | 13h48

O médico responsável pela cirurgia realizada no quadril de Pelé em 2012 rebateu o "Rei do Futebol" e negou ter cometido qualquer erro na ocasião. As declarações do Dr. Roberto Dantas aconteceram um dia depois de o melhor jogador de todos os tempos ter dito que foi vítima de uma falha no procedimento, corrigida somente em uma segunda operação,  esta realizada nos Estados Unidos, em dezembro do ano passado. A cirurgia em Pelé foi realizada no Hospital Albert Einstein, que também se manifestou nesta quinta, em nota, alegando não reconhecer nenhum procedimento impróprio no processo.

"Não existe nada de erro médico. O Pelé entendeu errado as explicações que lhe deram. Esta história do parafuso que ele conta, ele entendeu errado. Antes de o Pelé ir para os Estados Unidos para esta nova cirurgia, repetimos todos os exames e não encontramos de modo algum nada errado na prótese do seu quadril", garantiu o médico.

Pertencente ao corpo clínico do hospital Albert Einstein, Roberto Dantas foi o responsável pela implantação de uma prótese entre o fêmur e a bacia de Pelé em 2012. O ex-jogador deu entrevista ao jornal Folha de S. Paulo na qual disse que o erro foi constatado pela equipe médica que o examinou em Nova York, antes da segunda cirurgia, para correção da suposta falha. Pelé anda apoiado por uma bengala. De acordo com Pelé, os médicos norte-americanos explicaram que as dores que ele sentia na região do quadril eram fruto da colocação de apenas um parafuso para segurar a prótese na cirurgia realizada em 2012. Em Nova York, foram utilizados três parafusos, segundo o Rei, corrigindo o erro. Pelé afirmou que desde então não sentiu mais dores no local.

Apesar do diagnóstico citado por Pelé, o Dr. Roberto Dantas garantiu que o incômodo não foi causado por erro médico e de procedimento. "A dor a que ele se referia era provocada por uma fibrose lateral no quadril. Os exames não evidenciavam erros. Depois da primeira cirurgia, já tínhamos proposto outra cirurgia ao Pelé no Brasil, mas por diversos fatores ele preferiu fazer fora do País." Em nenhum momento, o médico disse que pretende processar Pelé por suas declarações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.