Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

Médico revela que o atacante Adriano está 6 kg acima do peso

Joaquim Grava, médico do Corinthians, acredita que o atacante pode perder o peso em 10 dias

AE, Agência Estado

11 de abril de 2011 | 17h59

SÃO PAULO - As roupas largas de Adriano no seu primeiro treino no Corinthians, nesta segunda-feira, não disfarçaram o excesso de peso do jogador, que não entra em campo há quase três meses. Como o atacante só terá condições legais de jogo no dia 22 de maio, ele terá tempo para perder os cerca de 6 kg que tem em excesso.

"Vamos fazer uma avaliação em relação ao peso dele durante a semana. Atualmente, não analisamos apenas pela balança. Existe também uma avaliação fisiológica. Olhando, diria que ele está com 6 kg, no máximo, acima de seu peso ideal. O Adriano é um atleta muito forte", afirmou o médico Joaquim Grava. 

O responsável pelo departamento médico do Corinthians, porém, refuta a hipótese de Adriano passar por uma dieta: "Isso é balela. Atleta precisa comer para não cair em campo.O que podemos fazer é dar uma orientação dietética. O próprio jogador sabe o que precisar fazer. São só 6 kg a mais. Em dez dias, ele perde tudo", garantiu Grava.

O peso de Adriano não é a única preocupação do departamento médico. O atacante está voltando de uma cirurgia e precisa de cuidados especiais para poder entrar em campo na abertura do Brasileirão, em maio. "O Adriano está em fase final de recuperação da lesão no ombro direito. Em torno de 45 dias após a cirurgia ele já está apresentando uma evolução ótima. Vamos fortalecê-lo para que ele vá a campo de forma bem segura", comentou o fisioterapeuta Bruno Mazziotti, que lembrou que a partir do momento em que voltar a treinar regularmente, Adriano passará a queimar mais calorias do que consome, perdendo peso naturalmente.

Os 42 dias para colocar Adriano em condições de jogo para estrear contra o Grêmio, em 22 de maio, é tempo mais do que suficiente, garante Joaquim Grava: "Ele estaria bem para jogar as finais do estadual se fosse o caso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.