Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Antonio Lacerda/EFE
Antonio Lacerda/EFE

Médicos condenam liberação de público para a decisão entre Brasil e Argentina na Copa América

Especialistas ouvidos pelo 'Estadão' consideram a medida temerária e inadequada em função do cenário de pandemia que ainda assola o país

Toni Assis, especial para o Estadão, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2021 | 13h56

Uma atitude temerária. Assim pode ser definida a liberação de público, mesmo que restrito, para a final da Copa América entre Brasil e Argentina, que acontece neste sábado, no Maracanã, em meio à pandemia de covid-19 que assola o País. Num cenário em que mais de 530 mil pessoas foram vitimadas pela doença, o Estadão ouviu especialistas da área de saúde para saber até que ponto essa medida pode agravar ainda mais a questão sanitária neste momento, com a preocupação de uma noca cepa, a Delta Indiana.

O infectologista José Ribamar Branco, Fundador do Instituto Brasileiro da Segurança do Paciente, afirma que os números de mortos pela pandemia no Brasil não permitem uma ação que pode provocar a aglomeração de pessoas, mesmo que seja 6.500 num estádio para 65 mil.

"Estamos estabilizando num patamar muito alto de óbitos. O número de mortes diárias em São Paulo, por exemplo, aumentou cinco vezes em relação a outubro do ano passado", comentou. Branco disse que entende a pressão econômica e esportiva de uma final envolvendo Brasil e Argentina, mas comentou que num período crítico como o atual, o gestor precisa optar por alternativas que favoreçam a população.

"Temos a variante Delta do vírus, que já circula no Brasil. E os jovens são os maiores disseminadores dela. Eles contraem a doença e depois vão para casa. O resultado de uma aglomeração é que o número de mortes pode explodir e até colapsar o sistema. Podemos ter hospitais lotados e pessoas morrendo por falta de atendimento." O Brasil já viveu situações parecidas em outros momentos da pandemia, em pancadões nas metrópoles, férias em praias ou em cidades turísticas.  

Para o pneumologista Arthur Feltrin essa liberação, além de inadequada, é preocupante em todos os sentidos. "Sabemos que o futebol é uma das maiores paixões do brasileiro, mas isso não justifica liberar. Essa decisão vai na contramão do que o Comitê Olímpico Internacional (COI) vem fazendo, por exemplo. O órgão proibiu o público nos Jogos de Tóquio e por aqui acontece justamente o contrário", comparou.

Feltrin apontou ainda outros fatores que condenam a decisão da Conmebol e do prefeito do Rio, Eduardo Paz. E a lenta escala de vacinação da população é um deles. "Nos últimos meses, esse número aumentou, mas sabemos que é muito baixo ainda. Apenas 20% da população foi vacinada, sendo que o índice ideal para começar a liberar público seria na escala de 60 a 70%."

Outro ponto analisado pelo especialista são as variantes que o vírus tem apresentado nesse período. "Estamos com um ano e meio de pandemia. E a covid-19 tem um outro fator perigoso. Entre o período de incubação e os primeiros sintomas vai um intervalo de 14 dias. Então, a pessoa pode ter o contato com o vírus e só depois começar a sentir os sintomas. É muito difícil controlar isso", comentou”

FORA DO MARACANÃ

Para o cardiologista e médico do esporte Nabil Gorayeb, de 74 anos, o problema não vai ser dentro do estádio, mas ao redor do Maracanã, na movimentação de pessoas, na entrada e saída do público. "O problema não é ver o jogo, pois vão estar dentro de um espaçamento previsto. O que não pode permitir é aglomerar. O cuidado tem de ser grande. As pessoas tem de estar vacinadas,  usar máscaras e ficarem distantes uma das outras. Sem dúvida de que, se pudesse evitar, seria bem melhor", alertou o médico.

Ele lembrou que mesmo na Europa, onde a situação está mais branda do que no Brasil, os casos de covid-19 aumentaram com a liberação do público para assistir aos jogos da Eurocopa. "O número de casos teve um aumento lá fora",  lembra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.