Meia brasileiro acusa uruguaio de racismo após empate no Sub-20

Marcos Guilherme diz que foi chamado cinco vezes de 'macaco' por jogador da Celeste e pede providências para que isso não se repita

O Estado de S. Paulo

27 de janeiro de 2015 | 00h05

Brasil e Uruguai empataram em 0 a 0 na primeira rodada do hexagonal final do Sul-Americano Sub-20, no Estádio Olímpico, em Montevidéu. Mesmo jogando melhor do que na fase classificatória, quando perdeu por 2 a 0 para a Celeste, o time comandado pelo técnico Gallo não conseguiu se impor na partida.

O jogo ficou marcado por uma acusação do meia Marcos Guilherme, que disse ter sido alvo de racismo em entrevista ao SporTV. "O cara me chamou cinco vezes de macaco. Isso não pode acontecer", afirmou, citando o camisa 7 Facundo Castro como autor das injúrias. "Vamos levar isso à frente. Vários fatos que ocorreram, com Aranha, Tinga, Arouca, e ninguém toma providência. É lamentável e espero que alguém faça algo."

O Brasil se perdeu em alguns momentos da partida, padecendo de nervosismo, a começar pelo próprio Gallo, que foi expulso. O volante Wallace também levou o cartão vermelho. Na próxima rodada, o Brasil vai enfrentar o Paraguai, nesta quinta-feira, às 17h45. Kennedy, que ontem levou seu segundo cartão amarelo, será outro desfalque.

Nos outros jogos desta segunda-feira do hexagonal final, Paraguai e Colômbia empataram sem gols. A Argentina derrotou o Peru por 2 a 0, com gols de Giovanni Simeone e Ángel Correa. Simeone é o artilheiro da competição, com sete gols.ssegura vaga nos Jogos Olímpicos do Rio. O vice-campeão disputará uma repescagem com uma equipe da Concacaf. O Brasil já tem vaga por ser país-sede. Se ficar na primeira ou na segunda colocação, a equipe que o suceder na classificação herda a vaga. As quatro melhores equipes do Sul-Americano garantem vaga no Mundial Sub-20, que será disputado na Nova Zelândia, de 30 de maio a 20 de junho. 












Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.