Jorge Guerrero/AFP
Jorge Guerrero/AFP

Meia do Japão cobra evolução para selar vaga nas oitavas com tranquilidade

Japoneses precisam apenas de empate contra a Polônia para garantir a classificação

Estadão Conteúdo

25 Junho 2018 | 20h42

O meia Gaku Shibasaki foi titular nos dois primeiros jogos da seleção japonesa na Copa da Rússia. Mas acredita que ainda não mostrou todo o seu potencial no Mundial. Por isso, ele cobra de si mesmo uma boa evolução para o terceiro e decisivo jogo da equipe no Grupo H. Contra a Polônia, o Japão só precisa de um empate para avançar.

+ Técnico elogia atuação do Japão e se diz satisfeito com empate: 'Um bom ponto'

+ Cissé reconhece superioridade do Japão, mas se diz irritado com empate de Senegal

"Não estou nada satisfeito com as minhas performances até agora. Acredito que posso fazer mais. Posso ajudar o time a melhorar com mais posse de bola. E, no ataque, posso ajudar mais e dar mais assistência aos meus colegas de time", analisou o jogador do Getafe, numa rápida autoavaliação.

Com uma incomum autoanálise, Shibasaki acredita que poderia ajudar também em outros aspectos. "Quando tentarmos bolas mais longas, eu devo tentar pegar o rebote. Também tenho que ser mais cuidadoso quanto aos riscos no controle da bola no meio-campo", afirmou o meia.

O jogador ainda supõe que pode ajudar mais a seleção japonesa se tiver mais precisão nos passes. "Não estou satisfeito também neste aspecto. Se eu for mais preciso nos meus passes, o jogo pode ser bem diferente para nós."

 

Como um todo, o meia avalia que a equipe evoluiu de um jogo para outro - da vitória sobre a Colômbia por 2 a 1 para o empate em 2 a 2 com o Senegal. Na sua avaliação, a seleção asiática soube jogar de forma mais coletiva na segunda partida.

"O time soube mostrar melhoras nos dois gols [contra Senegal], ao contrário do primeiro jogo. Os dois gols vieram de um jogo mais aberto, mais coletivo. Vamos tentar levar isso para o confronto com a Polônia para conseguirmos o resultado que nos levará para as oitavas de final."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.