futinter; futebol; Mundial de Clubes; San Lorenzo; Ortigoza
futinter; futebol; Mundial de Clubes; San Lorenzo; Ortigoza

Meia do San Lorenzo ataca árbitro: 'Ria com os jogadores do Real'

Em suposto favorecimento ao time espanhol, Ortigoza reclama do tratamento dado aos jogadores argentinos dentro e fora de campo

Estadão Conteúdo

22 de dezembro de 2014 | 13h48

O San Lorenzo sabia que a tarefa seria muito difícil, quase impossível, mas ainda não digeriu bem a derrota para o Real Madrid na decisão do Mundial de Clubes, sábado, em Marrakesh. Nem tanto pelo placar de 2 a 0, considerado até baixo em relação à diferença técnica entre as equipes, mas mais por um suposto favorecimento ao adversário, denunciado pelo meia Néstor Ortigoza.

"Parecia que tínhamos ido jogar no quintal da casa deles. No vestiário, nos banhamos com água fria. De resto, em todo momento sentíamos que apitavam para eles. O árbitro ria com eles. Eles já são bons, e se o árbitro ainda dá uma mão... Isso não tira o fato de que são os melhores, têm jogadores incríveis, mas foi demais o que fez o árbitro", declarou.

Ortigoza não especificou nenhum lance em que viu erro grave da arbitragem, mas garantiu que ao longo dos 90 minutos o guatemalteco Walter Lopez fez questão de prejudicar o time argentino. No segundo gol do Real, marcado por Bale, os jogadores do San Lorenzo chegaram a reclamar de impedimento, mas sequer insistiram.

Independentemente das críticas à arbitragem, o meia saiu satisfeito com o que sua equipe fez na decisão de sábado, principalmente no início da partida. "Nos primeiros minutos, eles discutiam entre si porque estavam desesperados. Tiveram duas jogadas de cabeça e nada mais. Uma em que o Benzema foi travado e depois não tiveram muitas mais, por isso digo que saímos com a cabeça erguida."

A análise do jogador parece ter sido feita também pela torcida, que foi em peso ao aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires, receber a delegação argentina. Um dos mais aclamados pelos fãs, Ortigoza celebrou a recepção.

"Estou muito contente, sabíamos que seria muito difícil, não pudemos trazer o título, mas viemos com a cabeça para o alto. Deixamos tudo em campo desde o primeiro minuto. Estou muito orgulhoso por vestir esta camisa. Não esperávamos esta recepção, nunca se sabe o que a torcida do San Lorenzo vai preparar", apontou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.