JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Paulo Henrique foi 'batizado' como Ganso por roupeiro do Santos

Otávio Rodrigues chamou o meia de Ganso pela 1ª vez

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2015 | 17h00

Otávio Rodrigues Oliveira foi roupeiro do Santos ao longo de 43 anos. Agora está afastado por causa de um problema na coluna, mas ainda faz fisioterapia no clube. Além de participar das principais conquistas recentes do Santos com um trabalho de bastidores – o roupeiro é aquele responsável pelas chuteiras e uniformes, por exemplo –, Otávio, ou seu Tatá, sempre se orgulhou de ter uma relação próxima com os jogadores. Ser amigo deles de verdade.“O trabalho do roupeiro não aparece muito, mas ele é muito importante. Sem ele o jogador não tem o material de trabalho”, conta.

O grande troféu de sua carreira é uma camisa autografada que ele ganhou de Paulo Henrique Ganso e se transformou em um quadro na sala de sua casa. Depois de tantos anos, a camisa está amarelada e dificulta a leitura da assinatura do craque. Mas seu Tatá não se importa. Seu próprio nome já está na história do Santos. Foi ele quem deu o apelido para o meia. “Fui eu que o chamei de Ganso pela primeira vez. Ele gostou e transformou uma brincadeira na sua marca”, diz o roupeiro de 69 anos. Assim que seu Tata chamou Paulo Henrique de Ganso o jogador escreveu o novo nome nas próprias caneleiras. Foi seu segundo batismo.

Ganso é uma gíria para o jogador fraco, ruim tecnicamente. Seu Tatá conta que dizia isso para todos os novos jogadores da base em tom de brincadeira, não queria diminuir os meninos. “Ele pegou uma coisa que era ruim e transformou em uma coisa boa.” 

Desde que Ganso saiu do clube os dois nunca mais se encontraram. Um dos projetos do roupeiro é visitar o craque no CT do São Paulo, na Barra Funda. “Ainda hoje ele é muito querido pelos funcionários do clube. Ele era legal com a gente", afirmou. 

Seu Tatá, no entanto, não consegue explicar as razões dos altos e baixos do jogador que ele ajudou a batizar. Depois de temporadas mágicas pelo Santos, ainda sofre críticas da torcida do São Paulo e já pensou em deixar o clube. “Eu acho que ele é um craque, mas não sei o que aconteceu. Acho que se abateu depois que saiu do Santos.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolSantos FCGanso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.