Arquivo/AE
Arquivo/AE

Meia Kaká diz que não guarda rancor do Milan

'No início não foi fácil, mas entendi os motivos da minha saída do clube', disse o jogador de Real Madrid

EFE,

27 de agosto de 2009 | 12h10

O meia Kaká disse que não guarda rancor do Milan e que entende o clube por tê-lo negociado com o Real Madrid, em entrevista publicada nesta quinta-feira pelo jornal italiano La Gazzetta dello Sport.

 

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"No início não foi fácil. Mas eu sempre tentei entender os motivos da minha saída. Encontramos a solução melhor para todos. Não guardo rancor do Milan. Estou bem aqui. Mas em princípio foi estranho", comenta o brasileiro.

 

"Ninguém poderia imaginar o que aconteceu. A crise econômica, o Milan fora da Liga dos Campeões durante um ano. As coisas mudam, mas eu sempre fui sincero e acho que os torcedores entenderam", completa Kaká.

 

O brasileiro comenta ainda na entrevista que sempre evitou beijar a camisa de uma equipe, salvo a da seleção brasileira, para não criar polêmica.

 

Sobre os brasileiros do Milan, Kaká diz que parecem ter recuperado o bom futebol e que, com um tempo, afastarão as críticas. "São fortes e lutarão pelo título italiano. Estou contente por Ronaldinho Gaúcho, que está voltando ao nível anterior, e por Leonardo e Pato, que tem um grande futuro", comenta Kaká ao jornal.

 

Para o meia, a pressão fará bem a Ronaldinho Gaúcho para que recupere o bom futebol. "A pressão fará bem, ele ganha ânimo assim. Vivi com ele muitas histórias na Copa de 2002 e sempre o vi reagir às pressões", explicou a estrela do Real Madrid.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.