Melancólica e só, seleção deixa Cali

Eliminada da Copa América, a seleção brasileira de futebol deixou a cidade de Cali, na Colômbia, nesta terça-feira, em meio a um clima melancólico. Desde a saída do hotel Casa Del Alférez, onde a delegação ficou hospedada desde o primeiro dia, até o embarque, o time atraiu a atenção apenas da imprensa. Poucos torcedores presenciaram a despedida dos brasileiros. O vôo da seleção chega a São Paulo por volta da 5 horas desta quarta-feira.A delegação deixou o hotel por volta das 18 horas (de Brasília) em dois ônibus. Como ocorreu durante toda a competição, no primeiro seguiram os integrantes da comissão técnica. No segundo, apenas jogadores. Na saída, os atletas não escondiam a decepção que ainda carregavam. "Ninguém espera por esse resultado", afirmou o goleiro Marcos. "Sabemos que seremos muito cobrados quando chegarmos ao Brasil. Mas o importante agora é analisarmos o que fizemos e tentarmos corrigir." Para o atacante Denílson, eleito pela crítica local um dos melhores jogadores da primeira fase da competição, mas que não conseguiu corresponder no jogo diante de Honduras, o que mais marcou foi o clima encontrado na Colômbia. "Não faltou carinho e amizade aqui. Pena que deixamos a desejar no futebol", admitiu.Na esteira de Denílson, o técnico Luiz Felipe Scolari fez questão de ressaltar a organização e atenção dos colombianos durante a Copa América. Ele aproveitou também para presentear o garoto Didier Giraldo, de sete anos, com um autógrafo e um beijo. O menino o aguardava na entrada do Casa Del Alférez por mais de uma hora. "Nossa apresentação aqui na Colômbia ficou longe do que esperávamos. No entanto, precisamos pensar para frente, pois ficar lamentando o que aconteceu não vai resolver nada", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.