Imagem Antero Greco
Colunista
Antero Greco
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Melhor assim

A pontaria certeira de Jesús Dátolo evitou, no início da noite de ontem, injustiça com o Corinthians. O gol do meia, aos 45 do segundo tempo, garantiu vitória do Atlético-MG sobre o Figueirense e, por extensão, adiou a definição do Brasileiro. O grito de campeão pode vir no dia 19, após a pausa para os jogos da seleção pelas Eliminatórias para o Mundial de 2018. Eis a proeza.

Antero Greco, O Estado de S. Paulo

09 de novembro de 2015 | 03h00

Não se trata de ironia; acompanhe o raciocínio. Se o Galo tivesse empatado, os corintianos explodiriam de alegria, evidentemente, pois a diferença (13 pontos) não seria anulada nas quatro rodadas restantes. Mas ficaria a sensação de euforia incompleta, chocha, porque não veio de apito final de jogo do líder. Correto, coerente e fecho de ouro é soltar a voz com os atletas a festejar no calor da hora, com público em volta, no estádio, mesmo que seja fora de casa.

O título virá para o Corinthians, o torcedor não tem com o que se preocupar. Não vale nem a pena gastar tutano, tinta e papel com volteios inúteis, elucubrações do tipo “nunca se sabe o que pode acontecer”. Bobagem. É só questão de dia mais, dia menos. E ainda bem que agora vai se tornar realidade como manda o figurino, com Cássio, Renato Augusto, Jadson e grande elenco a desfilarem no gramado, de preferência após o duelo com o Vasco. 

Seria esquisito estourar fogos, lascar buzinaço e fazer carreata um dia depois da vitória contra o Coritiba. E, pior: porque o segundo colocado, que mal se enxerga com lupa, teria tropeçado. Foi melhor assim, graças ao prodígio desse Jesús argentino. 

Fiasco verde

Por falar em xarás do Salvador (Aquele, o divino e verdadeiro), Gabriel Jesus e companheiros de Palmeiras deram mais um vexame – novamente em casa e contra rival na zona de rebaixamento. O desempenho diante do Vasco foi ruim de doer, merecedor de vaias bem barulhentas. O time badalado pelas dúzias de contratações realizadas ao longo de 2015 teve comportamento ridículo, pareceu um bando de colegas de trabalho a disputar pelada após o churrasco dominical. 

Aliás, até menos, porque nessas partidas de barriga abarrotada de carne, farofa e cerveja, os participantes ainda se divertem com chutes a gol. Nem isso o Palmeiras fez. Passou o jogo inteiro perdido, desorientado, aparvalhado. Não incomodou o goleiro Martin Silva uma vez sequer! O distraído que fosse ao antigo Palestra Itália para o ver o clássico imaginaria que o Vasco era o mandante, tão à vontade circulou em campo. Fez os dois gols valiosos no primeiro tempo e depois se divertiu a valer ao ver as trapalhadas verdes.

Não há desculpa convincente para o desabamento de produção. Não adianta Marcelo Oliveira referir-se a contusões, suspensões e outros babados. Tudo soa conversa fiada. Se foram feitas tantas compras, era para ter elenco à altura para compensar baixas. Tem mais: o Palmeiras perdeu 14 vezes! Retrospecto de equipe pequena, daquelas que entram num torneio só para fazer figuração. Pelo visto, esse foi o papel que o Palmeiras se acostumou a desempenhar na Série A.

O torcedor apoiou o ano todo, mas já se encheu. E, de fato, é complicado ver Alecsandro, Egídio, Fellype Gabriel, Kelvin, João Pedro, Thiago Santos perdidos em campo, sem criar nada. Um festival de horrores. Ah bom, o otimista dirá que resta a Copa do Brasil. Verdade. Mas, com essa bola murcha, pode preparar-se para duas lambadas do Santos. 

Enigma tricolor. Quando se fala que o São Paulo é enorme ponto de interrogação, há quem se sinta incomodado. Ora, como assim, se tem 53 pontos e luta por vaga na Libertadores? A dúvida quem provoca são os boleiros, com a oscilação incessante e maluca deles num mesmo jogo.

Como se viu de novo, desta vez na derrota por 2 a 1, de virada, para o Cruzeiro. O São Paulo começou bem, abriu vantagem com Luís Fabiano, para depois embarcar na gangorra de sempre. Outro clube que precisa passar por reforma geral...

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.