Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Melhor ataque, Palmeiras aposta na versatilidade dos artilheiros

Equipe apresenta entre gols marcados dentro da área, com jogadas de linhas e bolas pelo alto

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2017 | 07h00

Dos 46 gols que o Palmeiras anotou como melhor ataque do Brasileirão, 14 foram feitos com chutes de dentro da área; outros nove nasceram de jogadas de linha de fundo e sete foram resultado de chutes de longa distância. O jogo aéreo ainda é forte: foram seis gols. O Palmeiras vai precisar desse repertório variado na reta final do torneio para tirar a diferença de seis pontos de distância para o líder Corinthians (59 a 53). 

+ Em 3 jogos no Palmeiras, interino Valentim acaba com o 'chutão'

+ Corinthians tem sete titulares pendurados e Palmeiras apenas dois

A análise sobre a maneira como o Palmeiras marca seus gols indica como o time gosta de jogar. Os 14 gols anotados na área do adversário, por exemplo, mostram o time consegue armar jogadas, penetrar na defesa rival e finalizar com grandes chances de êxito. No triunfo sobre o Vitória, por exemplo, o time deitou e rolou. Dos quatro gols da goleada, três foram feitos dentro da área do rival. 

O time aproveita a velocidade dos atacantes e chega com facilidade à linha de fundo, uma jogada de ataque considerada mortal, pois surpreende goleiros e zagueiros. O Palmeiras fez nove gols dessa forma. Uma vitória emblemática foi a virada sobre o São Paulo por 4 a 2 – dois gols foram feitos assim, com Willian e Keno. 

O Palmeiras também sabe chutar de fora da área, principalmente com o capitão Dudu. Foram dele os gols na abertura da vitória sobre o Grêmio por 3 a 1, resultado que fez o Palmeiras completar sua terceira vitória seguida. Também foi assim que ele abriu o marcador contra o Avaí, no Allianz Parque. Dos 46 tentos, o Palmeiras fez sete com chutes de longa distância. 

As jogadas aéreas, um dos principais diferenciais do time na campanha do título no ano passado, transformaram-se apenas em seis gols. A fatia relativamente pequena do total pode ser explicada pela ausência do zagueiro Mina, que está fora dos time nos últimos dois meses depois de uma fratura no último jogo da Libertadores. No Campeonato Brasileiro, ele tem apenas um gol em 11 partidas. No ano passado, o colombiano anotou quatro gols. 

Um lance curioso que marcou o título do ano passado – o arremesso lateral direto para a área – resultou apenas em um tento. Foi nos 3 a 1 contra o Fluminense, em casa. Guerra marcou após Zé Roberto colocar na área com as mãos. 

Os 46 gols marcados não se concentram apenas nos homens de frente. No segundo turno, onze jogadores diferentes marcaram. Os destaques são Willian (7) e Dudu (6). O líder Corinthians contou com os gols de apenas dois jogadores no returno: Jô e Clayson (quatro cada). No Santos, quatro jogadores fizeram todos os gols. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.