Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Melhor como visitante, Palmeiras confia em reação na Copa do Brasil

Em 2018 equipe tem aproveitamento superior quando joga fora de casa; partida com o Cruzeiro será dia 26

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

14 Setembro 2018 | 11h00

A derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro, nesta quarta-feira, no Allianz Parque, não deixou o Palmeiras desanimado para continuar na briga por vaga na final da Copa do Brasil. Afinal, nesta temporada a equipe detém a curiosa tendência de obter melhores resultados fora de casa. Como visitante o aproveitamento é superior: 71% ante 66% quando atua como mandante.

Desde o começo do ano, quando era dirigido por Roger Machado, o Palmeiras construiu essa campanha de ser mais efetivo longe do Allianz Parque. Em 30 jogos nessa condição, a equipe conquistou 19 vitórias, empatou sete vezes e perdeu apenas quatro. Já no papel de time da casa, foram 28 partidas, com 17 vitórias, cinco empates e seis derrotas.

"A gente está atento, a gente está vivo, e a gente vai reverter esse resultado lá sim. A gente pode, sim, conquistar a vitória e eliminar o Cruzeiro", afirmou o zagueiro Antonio Carlos depois da partida da ida. "Temos que ressaltar que o time jogou, apesar de ter perdido. Batalhamos, tivemos inúmeras chances de ter chutado uma bola ou outra", comentou o zagueiro Edu Dracena.

Em competições como a Copa do Brasil e a Copa Libertadores, a única derrota sofrida pelo Palmeiras no torneio foi justamente no Allianz Parque. Desde a abertura da arena, em novembro de 2014, o clube estabilizou uma média de 70% de aproveitamento em partidas no local, estatística acima do rendimento obtido neste ano, quando sofreu derrotas marcantes dentro dos seus domínios, como na final do Campeonato Paulista.

A decisão da vaga com o Cruzeiro está marcada para 26 de setembro, no estádio do Mineirão. O Palmeiras vai precisar ganhar por dois gols de diferença ou devolver a vantagem mínima de um gol para levar a disputa para os pênaltis.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.