Divulgação
Divulgação

Melhor 5 vezes, Marta não é nem citada pela primeira vez desde 2002

Brasileira passou despercebida na festa desta segunda em Zurique

Estadão Conteúdo

11 de janeiro de 2016 | 19h05

A eleição da melhor jogadora do mundo de 2015 mostrou que o reinado de Marta no futebol feminino definitivamente chegou ao fim. Laureada com este prêmio por cinco vezes consecutivas, de 2006 a 2010, a brasileira sequer foi citada por qualquer um dos eleitores como uma das três melhores do ano passado. Isso não acontecia desde 2002, quando ela tinha apenas 16 anos.

Assim como acontece entre os homens, as melhores jogadoras do mundo são definidas através de votação realizada pelos técnicos e capitães das seleções, além de um jornalista de cada país. E nenhum dos 377 eleitores citou Marta como uma das três principais atletas da modalidade.

De fato, Marta teve um ano bem abaixo do esperado. A jogadora de 29 anos passou sem brilho pela Copa do Mundo no meio do ano, na qual a seleção brasileira acabou eliminada logo nas oitavas de final, caindo diante da Austrália por 1 a 0. Ela marcou somente um gol no torneio, de pênalti, contra a Coreia do Sul.

Com isso, Marta abriu espaço para outras jogadoras. As dez finalistas do prêmio foram Nadine Angerer (Alemanha), Ramona Bachmann (Suíça), Kadeisha Buchanan (Canadá), Amandine Henry (França), Engúnie Le Sommer (França), Carli Lloyd (EUA), Aya Miyama (Japão), Megan Rapinoe (EUA), Celia Sasic (Alemanha) e Hope Solo (EUA). No fim, Carli Lloyd levou a melhor e ficou com o troféu.

A ausência de votos para Marta quebrou uma incrível sequência da brasileira. Em 2003, ainda aos 17 anos, ela ficou na décima colocação da eleição para melhor do mundo. De lá para cá, figurou em todas as finais. Em 2004 e 2013, ficou com a terceira colocação. Já em 2005, 2011, 2012 e 2014, foi a segunda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.