Melles garante calendário quadrienal

O ministro do Esporte e Turismo, Carlos Melles, não citou nomes, mas criticou os que estão contra o Calendário Quadrienal do Campeonato Brasileiro, apresentado no dia 26 de junho. Ele disse não concordar com a afirmativa de que o calendário extingüe os campeonatos estaduais. "Isso é um engano. Agora, os clubes pequenos vão poder disputar com os da elite", afirmou.Melles recorreu à "comissão de notáveis" (formada por ele, pelo presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Ricardo Teixeira, pelo presidente de honra da Fifa, João Havelange, pelo presidente do Clube dos 13, Fábio Koff, e pelo ex-jogador Pelé), para garantir que o calendário não será mudado. De acordo com o ministro, existe um compromisso firmado entre os notáveis assegurando que não haverá alterações em sua estrutura.O ministro também condenou os que lhe cobram uma maior intervenção no futebol brasileiro e procurou se defender lembrando da medida provisória, sancionada por ele e o presidente Fernando Henrique Cardoso em março. "É uma pena que tenham esquecido a medida provisória responsável pelo fim do passe, que fortaleceu os clubes e facultou a criação das Ligas de futebol", disse.A demora na criação das Ligas foi uma mágoa revelada por Melles. Ele lamentou não ter poder para obrigar, por lei, sua elaboração. "Acho que a formação das ligas deveriam ser mais rápidas", considerou. "São elas que vão tirar todo o poder da CBF." Melles ainda prometeu empenho para resolver o problema de organização da Série C do Campeonato Brasileiro, que até agora não tem definidos o número de clubes participantes, a fórmula e a data de início da disputa. O ministro disse ter solicitado à diretoria da CBF a agilização desta competição. A assinatura de um convênio para a implantação de três projetos (Esporte na Escola, Esporte Solidário e Navegar), que estimulam a prática de esporte, trouxe o Ministro ao Rio, nesta quarta-feira. No total serão liberados R$ 7,94 milhões para a viabilização do compromisso firmado com a prefeitura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.