Membro da Fifa acusado de vender voto se diz inocente

Amos Adamu negou irregularidade em definição das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022

AE, Agência Estado

21 de outubro de 2010 | 15h37

Membro do Comitê Executivo da Fifa, Amos Adamu negou nesta quinta-feira qualquer irregularidade em um escândalo de compra de votos para definição das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022, apesar de ter sido suspenso das suas funções. O funcionário nigeriano emitiu um comunicado para "refutar totalmente todas as acusações" feitas pelo jornal britânico The Sunday Times que revelou que Adamu e Reynald Temarii, outro membro do comitê executivo da Fifa, ofereceram a possibilidade de vender seus votos.

Adamu disse apoiar totalmente a investigação da comissão de ética da Fifa, que suspendeu na quarta-feira os dois dirigentes. Ele foi filmado por repórteres disfarçados que fingiram ser lobistas, dizendo-lhes que queria US$ 800 mil (R$ 1,35 milhão) para construir quatro campos de grama artificial na Nigéria e que o dinheiro deveria ser dado diretamente a ele.

"Enquanto eu persevero em refutar todas as acusações feitas, concordo plenamente como inquérito, pois é importante que essas afirmações sejam completamente investigadas", disse Adamu. "Só fazendo assim a Fifa e a comunidade do futebol serão capazes de confiar que os seus representantes são corretos".

O comitê executivo da Fifa irá definir os anfitriões das Copa do Mundo de 2018 e 2022 no dia 2 de dezembro, em uma votação secreta, em Zurique. "Eu ainda tenho que apresentar a minha posição para os que investigam este assunto", disse Adamu. "No entanto, estou confiante de que minhas ações, que não foram detalhadas em grau completo e verdadeiro na história publicada, demonstram não só a minha inocência e integridade, mas também meu compromisso com o futebol e a Fifa".

Adamu faz parte do comitê executivo da Fifa desde 2006. "Como as investigações ainda não estão completas, seria inapropriado para mim comentar mais e não vou fazê-lo até a conclusão definitiva da Fifa se tornar pública".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFifasubornoAmos Adamu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.