Eric Gaillard-Reuters - 27/06/2014
Eric Gaillard-Reuters - 27/06/2014

Mena, com três meses de atraso de salários, obtém liminar para sair

Chileno procurou a Justiça para cobrar atrasados e conseguiu suspender contrato. Santos terá que ressarcir Teisa

GONÇALO JUNIOR, O Estado de S. Paulo

14 de janeiro de 2015 | 19h09

Depois de entrar na Justiça para cobrar os três meses de salários atrasados do Santos, o lateral-esquerdo Mena conseguiu liminar na tarde desta quarta-feira. Com a decisão, o contrato do jogador com o clube, que era válido até junho de 2017, está suspenso. O Santos, por sua vez, pode tentar cassar a liminar. O Cruzeiro já mostrou interesse na contratação do chileno para disputar a Copa Libertadores da América deste ano, substituindo Egídio, negociado com o futebol ucraniano.

Mena foi o primeiro a conquistar a liberação do clube na Justiça. A liminar foi concedida pelo juiz Francisco Charles Florentino de Souza, da 5.ª Vara do Trabalho em Santos. Mena argumentava que não havia recebido os salários referentes a outubro, novembro e dezembro, além do abono e do 13.º. A diretoria do Santos informou na terça-feira ter pago dois meses do que estava atrasado, mas após o início do processo.

A decisão favorável ao chileno preocupa a direção santista, pois cria um precedente para os outros atletas que também buscaram a Justiça do Trabalho, como Arouca e Leandro Damião. O goleiro Aranha teve sua liminar negada pela Justiça.

Comprado da Universidad de Chile em 2013 em parceria com a Teisa, empresa que bancou metade da transferência, Mena custou US$ 3,5 milhões (cerca de R$ 7,7 milhões, em valores da época). Se confirmada a saída do jogador na Justiça, o clube terá de ressarcir a parceira.

O chileno de 26 anos foi o único jogador do Santos que participou da Copa do Mundo de 2014. Desde 2013, ele disputou 62 partidas pelo Santos e era o titular da posição, embora tenha sofrido a concorrência de Caju após disputar amistosos da seleção de seu país.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantos FCMena

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.