Paulo Liebert/Estadão
Paulo Liebert/Estadão
Imagem Ugo Giorgetti
Colunista
Ugo Giorgetti
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Menos São Paulo

Esta semana desapareceu mais um pouco do antigo caderno Edição de Esportes, criado pelo Jornal da Tarde

Ugo Giorgetti, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2019 | 04h30

Esta semana desapareceu mais um pouco do antigo caderno Edição de Esportes, criado pelo Jornal da Tarde, ele também desaparecido. Foi a responsável por, pela primeira vez, revelar que o esporte tinha adquirido a mesma importância que a política ou a economia no interior dos jornais influentes. Eu, que fui leitor do JT desde de seu primeiro número, não tinha visto nada parecido antes. O esporte não estava mais limitado aos jornais especializados. Chegava na grande imprensa e conquistava seu espaço nela. 

Lembro, entre muitos, de alguns dos jovens jornalistas dessa Edição de Esportes, a maioria, para não dizer todos, nascidos nesta cidade, segunda ou terceira geração de imigrantes de tanta influência na vida de São Paulo. Basta uma rápida olhada pelos seus sobrenomes: Bataglia, Baklanos, Avallone, Helena, talvez todos trazendo ainda as marcas da imigração original, isto é, audácia, irreverência, destemor e talento. Combativos, difíceis, briguentos, polêmicos, era uma delícia lê-los. Dava para sentir o cheiro da cidade que pulsava nos textos. De alguma forma, vagava por esses textos o eco de uma várzea paulista ainda presente em regiões quase centrais da cidade.

O mundo era São Paulo, não havia mundo além desse. Real Madrid, Barcelona, Milan eram apenas noções incertas de uma geografia distante. Mesmo o Rio de Janeiro, ainda em sua pujança de capital cultural do País, não conseguia ocupar as preocupações da Edição de Esportes. Ela era anterior ao Campeonato brasileiro tal qual o conhecemos hoje. Era contemporânea do Campeonato Paulista, e para este voltava seus olhos. Nunca os times paulistas foram tão escrutinados, tão examinados de perto, e isso consolidou suas mitologias. Talvez somente as Copas se ombreassem com o Campeonato Paulista em interesse. 

O desafio de introduzir o futebol como fonte de interesse igual às seções tradicionais dos jornais foi vencido pelo talento. Prêmios importantes foram conquistados, capas magníficas produzidas, fotos antológicas. O esporte tinha chegado lá. 

O tempo passou e esse grupo excepcional se dispersou, principalmente quando as televisões passaram a ser o veículo por excelência do esporte, e não mais a palavra escrita. A marca, porém, ficou em cada um deles. Nunca mais se viu em suas carreiras algo tão brilhante, tão novo e tão cheio de charme e estilo do que durante aquele período do Jornal da Tarde. Pelo menos para mim, que sempre fui leitor fiel e constante. 

Era um pessoal que tinha se colocado como missão concorrer com quem escrevia nas outras áreas do jornal. E havia muita gente boa escrevendo no JT. O abandono, ou diminuição, da importância da palavra escrita em suas vidas me parece que foi um trauma muitas vezes evidente. Continuaram seus caminhos por aí, claro. O nome que tinham conquistado lhes garantia respeito. Mas as coisas não foram mais as mesmas.

Esta semana o grupo da Edição de Esportes do velho Jornal da Tarde, já tão desfalcado, sofreu uma baixa decisiva. O nome de Roberto Avallone foi se juntar ao de Sergio Baklanos entre os mortos. Avallone talvez seja o que mais tenha escrito, embora à sua própria maneira. Escrevia falando, auxiliando suas opiniões com invisíveis, mas bem colocados, sinais da palavra escrita. Pontos de exclamação, interrogação e vírgulas ilustravam suas frases e comentários na TV. Às vezes voltava tão literalmente para seu primeiro amor que dizia, ao se deparar com algo assombroso: “Parem as máquinas!” 

Ficou daquele time Alberto Helena Jr., ainda a nos oferecer seu grande talento e seu aspecto aristocrático de um professor do College de France, e Vital Batalgia. Foi embora mais um pouco do Bom Retiro, da Casa Verde, do Tatuapé, da Pompeia, de uma São Paulo na qual, independentemente das dificuldades, valia a pena viver e ser jovem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.