Jose Manoel Idalgo / Corinthians
Jose Manoel Idalgo / Corinthians

Mercado da América do Sul abastece o futebol feminino do Brasil com reforços

Equipes brasileiras estão contratando cada vez mais jogadoras estrangeiras para fazer parte do elenco 

Fabio Hecico, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2022 | 20h00
Atualizado 25 de fevereiro de 2022 | 20h54

Há um bom tempo que o futebol brasileiro investe pesado em mão de obra estrangeira e hoje é difícil encontrar uma equipe que não tenha um gringo em seu elenco. A moda agora também chegou ao futebol feminino, em constante crescimento no País. As portas estão abertas para a chegada de mão de obra argentina, paraguaia, uruguaia, colombiana... Serão três divisões nacionais em 2022, com 16 equipes nas Séries A e B e mais 32 na C.

Campeão da tríplice coroa em 2021, ao erguer as taças do Campeonato Paulista, do Campeonato Brasileiro e da Copa Libertadores, o Corinthians já contou com a boa ajuda de sua reforço internacional na conquista da Supercopa do Brasil, na qual bateu o Grêmio, por 1 a 0 na decisão.

A colombiana Liana Salazar enfrentou o Corinthians pelo Santa Fe na decisão da Libertadores e agradou o técnico Arthur Elias, que indicou sua contratação. Ela já chegou jogando no meio-campo corintiano. Fez, inclusive, um gol diante do Real Brasília na semifinal da Supercopa. "Muito feliz por fazer parte desta família. Temos uma torcida muito bonita, muito grande, que apoia a equipe em todos os lugares onde ela vai e espero retribuir todo esse amor em campo e conquistando títulos", diz Lia, como é chamada no clube e que recebe o carinho das arquibancadas.

O Palmeiras tem em seu elenco a argentina Agustina, contratada em 2020 e eleita a melhor zagueira do Brasileirão de 2021. A jogadora se destaca pela raça e força na marcação, que fizeram o clube renovar seu contrato no fim do ano.

Outra jogadora argentina no futebol brasileiro acaba de desembarcar nas Sereias da Vila. Eliana Stabile, a La Zurda, é considerada uma das melhores laterais-esquerdas da América do Sul, brilhando no Boca Juniors e no River Plate, além da seleção. Ela é um dos 10 reforços do Santos, que busca retomar o protagonismo no futebol feminino.

“Estou muito feliz de poder estar em um clube tão grande, com tanta história. Quero dar esse salto de qualidade aqui, poder ajudar, render e cumprir os objetivos”, afirmou a reforço do Santos. "Vou dar o meu máximo, esta camiseta exige muito de você e como atleta darei meu melhor. Vou trabalhar muito duro para que as coisas saiam bem, que eu continue sendo chamada para a seleção e que eu possa ajudar o Santos."

Sempre entre as melhores do Brasil nos últimos anos, a Ferroviária também engrossou as estatísticas de contratações de fora. A equipe acertou com a atacante peruana Guarecuco. "Para mim, é uma honra jogar na melhor liga da América do Sul, que é o Brasil. É um orgulho vestir a camisa de uma equipe tão grande como a Ferroviária. Os torcedores pode esperar muita entrega, demonstrarei todas as minhas capacidades e darei tudo de mim pela equipe e pela torcida", afirma a atacante.

Além dela, as Guerreiras Grenás ainda terão Fany Gauto para seu meio-campo. A paraguaia é outra vice-campeã da América com o Santa Fe.  O Brasil foi o destino de boa parte das jogadoras superadas por 2 a 0 na decisão da Libertadores. Duas foram parar no Sul: a zagueira Mónica Ramos e a volante Jessica Peña, ambas colombianas, defenderão o Grêmio no Brasileirão.

O São José conta com a zagueira paraguaia Verónica Riveros, da seleção, que chegou no segundo semestre para dar mais experiência ao grupo na Série A do Brasileirão. Promovido à elite nacional, o Atlético-MG terá as meias uruguaias Karol Bermúdez e Luciana Gómez, ambas contratadas do Nacional-URU no começo do ano.

O Internacional ainda não tem estrangeiras no elenco nesta temporada, mas Cláudio Curra, diretor de futebol feminino do time gaúcho, está vasculhando o mercado internacional por novas ótimas opções de reforços para brigar pelo título no Brasileirão.

"O futebol feminino vem crescendo em todos os lugares, e na América do Sul não é diferente. Vemos o mercado latino como uma ótima oportunidade de conseguir atletas de qualidade. Na temporada passada, as Gurias contaram com Ximena Velazco, volante da seleção uruguaia e ex-Peñarol, diversas vezes campeã em seu país, além de Wendy Carballo, atacante jovem que também estava no Uruguai e foi a primeira campeã estrangeira na retomada do futebol feminino do Rio Grande do Sul, quando conquistou o Gauchão de 2021 conosco", afirmou o dirigente.

"Outros times estão caminhando para negociações com atletas de outros países. Times como San Lorenzo e América de Cali vem despontando como os principais adversários das brasileiras na Libertadores e boas atletas podem surgir destes campeonatos, ajudando ainda mais na evolução da categoria aqui no nosso país", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.