Mesmo após derrotas, Chapecoense não muda em casa para reforçar entrosamento

A Chapecoense ainda não engrenou neste Campeonato Brasileiro. A equipe vem de duas derrotas - para Sport, na Copa do Brasil, e Corinthians, no Nacional - e ocupa a posição intermediária com três pontos. Mas o técnico da equipe, Vinícius Eutrópio, não deve mudar o time para encarar o Santos, pela terceira rodada, neste domingo, às 16 horas, na Arena Condá, em Chapecó (SC).

Estadão Conteúdo

24 de maio de 2015 | 07h53

No trabalho realizado na última sexta-feira, o treinador manteve a base do time que enfrentou o Corinthians. Ele chegou a testar o atacante Bruno Rangel e o meia Hyoran, mas, na entrevista coletiva, deixou claro que se trata de opções para o decorrer da partida. "Sempre procuro deixar dois ou três jogadores preparados".

Durante quase três horas, os jogadores da Chapecoense estiveram focados nos ajustes do time para encarar o atual campeão paulista. Apresentação de um vídeo, treino de posicionamento, trabalhos específicos na defesa e de finalizações fizeram parte das atividades. "Para mim, hoje, o Santos está entre os melhores ataques do futebol brasileiro. Time rápido, obriga que a gente tenha muita disciplina, muita aplicação para neutralizar os principais jogadores e também muita capacidade para superar a defesa deles", explicou Vinícius Eutrópio.

O treinador também não acenou com a possibilidade de colocar o atacante Edmilson, que fez três gols no jogo treino contra o Juventus, de Seara (SC), vencido por 5 a 1, também na sexta-feira.

Para o zagueiro Rafael Lima, todo cuidado é pouco com o Santos. Com a semana inteira de treinamentos, a equipe catarinense aproveitou para acertar alguns detalhes. E o defensor pede muita atenção com o adversário deste domingo. "Vai ser um jogo dificílimo. O Santos é um time técnico e veloz. Pelo que a gente viu do jogo deles contra o Sport (na quarta-feira), pela Copa do Brasil, é uma equipe muito rápida, com jogadores habilidosos. Temos que tomar muito cuidado, defensivamente falando, para neutralizar as jogadas", alertou o capitão da equipe, em entrevista coletiva.

Para o jogador, a casa da Chapecoense é fundamental na briga para que a equipe continue na Série A no próximo ano no Brasileirão. "Fizemos o planejamento do campeonato. Vamos ter 19 jogos em casa. Temos que buscar o máximo de vitórias possíveis. Ter mais vitórias em casa do que tivemos no ano passado para ter um campeonato com tranquilidade", finalizou o capitão.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoChapecoense

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.