Divulgação/São Paulo e Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Divulgação/São Paulo e Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Mesmo cascudos, Felipão e Cuca vivem experiências inéditas na semi do Paulistão

Técnico do Palmeiras nunca foi campeão do Estadual; treinador do São Paulo tem 'parceiro' no banco

Gonçalo Junior e Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2019 | 04h30

Embora sejam veteranos, calejados e campeões brasileiros e sul-americanos, Luiz Felipe Scolari e Cuca vão viver situações novas na semifinal do Campeonato Paulista que será disputada neste domingo, entre Palmeiras e São Paulo, às 16 horas, no Allianz Parque.

Aos 70 anos, Felipão enfrenta o time tricolor no novo estádio palmeirense pela primeira vez. Quando ele chegou no ano passado, os dois times já haviam se enfrentado no Brasileirão. Além disso, ele busca sua primeira final em sua terceira passagem pelo Palmeiras. É a estreia de Cuca exatamente diante do clube e no estádio onde foi campeão brasileiro em 2016. Aos 55 anos, o treinador do Morumbi volta aos gramados após ter sido submetido a uma cirurgia cardíaca no final do ano passado.

Depois do empate por 0 a o na semana passada, os veteranos estão empatados no duelo. Uma nova igualdade, por qualquer placar, leva a decisão para os pênaltis. Quem ganhar no tempo normal, garante vaga na final. O Palmeiras tem certa vantagem por jogar em sua arena lotada, pois já foram vendidos mais de 37 mil ingressos. Para mostrar que também está amparado pela torcida - embora a semifinal seja em regime de torcida única -, o São Paulo realizou um treino aberto no Morumbi neste sábado.

Nos sete jogos disputados no Allianz Parque, o Palmeiras venceu todos. O São Paulo não conseguiu sequer um empate. Neste aspecto, ponto para o Palmeiras. Por outro lado, Cuca leva vantagem no duelo particular com Felipão. Em sete confrontos, Cuca foi vencedor em cinco, além de um empate e uma vitória de Felipão.

Felipão tenta voltar a uma final de Campeonato Paulista depois de 20 anos. Vice em 1999, ano em que a equipe alviverde perdeu a decisão para o Corinthians, o treinador jamais conquistou o torneio e pode chegar à primeira final desde a volta ao clube, em agosto do ano passado.

Dono de mais de 20 títulos em competições mata-mata, Felipão não terá desfalques para escalar o Palmeiras. O time vai com a força máxima contra o São Paulo e, se chegar à final, terá condições mais cômodas para definir o título em comparação ao ano em que foi vice pela última vez sob o comando do treinador.

Em 1999, as decisões do Paulista se intercalaram na agenda com a final da Libertadores. O Palmeiras jogou o primeiro jogo da final do Estadual quatro dias antes de decidir contra o Deportivo Cali, da Colômbia, e optou por escalar um time reserva. O Corinthians soube se aproveitar disso, foi melhor, ganhou por 3 a 0 e segurou um empate por 2 a 2 na volta para ficar com o título.

O calendário está menos apertado neste ano. Se passar à decisão, o Palmeiras terá uma semana inteira de intervalo entre uma partida e outra. Como é o dono da melhor campanha, terá a chance de fazer o segundo jogo da final no Allianz Parque, assim como no ano passado.

Mesmo envolvidos em jogos da fase de grupos da Libertadores, os jogadores garantiram estar concentrados na semifinal. "O São Paulo conta com um grande time. Eles têm uma mescla de atletas experientes e uma molecada muito boa. Respeitamos o time deles, mas temos nossos objetivos e estamos muito focados em fazer um bom jogo", disse o zagueiro Gómez.

Cuca assume a equipe do São Paulo no meio da semifinal, quase um mês depois de sua contratação. Sua estreia estava marcada para o dia 15 de abril, mas foi antecipada em função da boa recuperação médica. No final do ano passado, o treinador decidiu interromper sua passagem pelo Santos depois de uma possibilidade de infarto. Ele garante que está bem.

Ele não estará sozinho em seu retorno. Em função da recuperação da equipe no Paulistão após uma campanha ruim na fase de grupos, Cuca pediu que o coordenado Vagner Mancini o acompanhasse nos treinos e no jogo deste domingo. Cuca será o técnico de fato na decisão no Allianz Parque. Ele estará na área técnica e vai assinar a súmula da partida, por exemplo. O coordenador ficará sentado no banco de reservas, mas também tem liberdade para falar com os jogadores.

Cuca pediu que Mancini trabalhasse ao lado dele como uma forma de reconhecimento pelo trabalho do interino e também para enriquecer a fase de transição de um técnico para o outro. Ele quer manter o que deu certo conservando a presença física - e os conselhos - de Mancini diante dos atletas.

CASA CHEIA EM TREINO

Como a partida será realizada em regime de torcida única (só palmeirenses estarão no palco da semifinal), Cuca quis garantir o apoio da torcida na véspera. O treino aberto que o São Paulo realizou na manhã deste sábado levou cerca de 30 mil torcedores ao estádio do Morumbi, de acordo com estimativa do próprio clube.

A entrada no Morumbi foi realizada mediante a doação de 1kg de alimento não perecível. Toda a arrecadação será enviada para a Cruz Vermelha. O treino contou com a presença dos três últimos reforços: o atacante Alexandre Pato, o volante Tchê Tchê e o meia Vitor Bueno. Como chegaram após o fim do prazo de inscrições, eles não podem atuar no Paulistão.

"É uma grande motivação esse treino para entrarmos com tudo amanhã (neste domingo) para vencer", disse o meia Nenê, que não tem presença confirmada entre os titulares. "Foi uma festa muito bonita. Ela traz força para a gente buscar o resultado", disse o lateral Reinaldo.

A ausência foi o atacante Pablo. O atacante ficou ao lado do técnico, no banco de reservas, e não treinou. Ao longo da semana, ele participou apenas do treinamento de quinta-feira em função de dores nas duas panturrilhas. Ele está praticamente fora do clássico.


FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS X SÃO PAULO

PALMEIRAS - Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gómez e Diogo Barbosa; Felipe Melo e Bruno Henrique; Dudu, Goulart e Scarpa; Deyverson. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

SÃO PAULO - Tiago Volpi; Hudson, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Luan, Liziero e Igor Gomes; Antony, Everton e Carneiro (Everton Felipe). Técnico: Cuca.

ÁRBITRO - Flávio Rodrigues de Souza.

HORÁRIO - 16 horas.

LOCAL - Allianz Parque, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.