Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Mesmo com cargo sob risco, Jair Ventura diz que segue normalmente no Corinthians

Técnico fala em iniciar planejamento para 2019 após deixar alvinegro na 13ª colocação no Brasileirão

Estadão Conteúdo

02 Dezembro 2018 | 22h06

O técnico Jair Ventura está com a corda no pescoço, mas insiste em dizer que vai continuar trabalhando normalmente no Corinthians. Mesmo com os fortes indícios de que o clube quer repatriar Fábio Carille, ele diz que já está planejando a temporada de 2019, quando, espera, os resultados sejam bem melhores.

"Sobre minha permanência ou não, sigo trabalhando e fazendo o planejamento. Tenho contrato até dezembro de 2019", disse Jair neste domingo, após a derrota do Corinthians para o Grêmio, em Porto Alegre. "Quando você tem contrato, você só vai ser avisado se não for seguir. Mas a decisão fica sempre com a diretoria".

O treinador reconheceu que o desempenho do time no Campeonato Brasileiro foi bem aquém do que o Corinthians esperava. Mas jamais considerou a possibilidade de rebaixamento. "É lógico que a gente poderia ter ido melhor, que é pouco para a grandeza do Corinthians (13.º lugar), mas dentro das circunstâncias... A gente queria a Libertadores, não deu, mas conseguimos a Sul-Americana. Nós conseguimos ir para a final da Copa do Brasil. Muito falaram em rebaixamento, e eu fui incisivo ao falar que não caía, e realmente não caiu", afirmou.

Ao ser questionado sobre o desempenho da equipe contra o Grêmio, Jair Ventura admitiu que a equipe não foi bem na partida de despedida da temporada, sobretudo na etapa inicial. "Primeiro tempo total do Grêmio, a gente com uma postura bem abaixo", analisou. "No intervalo, conseguimos de alguma maneira mudar isso. Tive um bom papo com eles (jogadores). Voltamos com uma postura diferente, fechamos com 65% de posse de bola. Inverteu: o Grêmio passou a ser o Corinthians e o Corinthians passou a ser o Grêmio".

Jair Ventura, porém, exagerou ao dizer que a sua equipe fez um belo segundo tempo. O Corinthians de fato melhorou, mas praticamente não colocou em risco o goleiro gremista Paulo Victor. "O Grêmio foi mais eficiente e conseguiu a vitória. Uma pena a gente ter oscilado de maneira tão drástica que nos custou a vitória", completou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.