Mesmo com luxação em dedo, Jefferson 'se escala' na seleção

Mesmo com luxação em dedo, Jefferson 'se escala' na seleção

Apesar de convocação extra de Marcelo Grohe, goleiro do Botafogo afirma que 'não quer largar a cadeira' na equipe do técnico Dunga

RAPHAEL RAMOS - Enviado especial a Pequim, O Estado de S. Paulo

06 de outubro de 2014 | 10h18

Após Jefferson sofrer uma luxação no dedo mínimo da mão esquerda durante partida contra o Santos, quarta-feira, pela Copa do Brasil, Dunga resolveu aumentar a lista de convocados da seleção brasileira de 22 para 23 jogadores e chamou o goleiro Marcelo Grohe, do Grêmio, caso o botafoguense não tivesse condições de enfrentar a Argentina, sábado, na China, e o Japão, dia 14, em Cingapura. Mas, assim que chegou a Pequim, nesta segunda-feira, Jefferson já se escalou para os dois próximos amistosos do Brasil.

"Não dá para ficar de fora. Todo sacrifício é válido e temos de aproveitar a oportunidade. Não pode dar brecha. Como o Dunga diz: ''ninguém quer largar a cadeira''. Tem de guardar direitinho. A gente sabe que são poucas as oportunidades e muitos jogadores brigando por uma vaga", disse o goleiro.

Logo depois que chegou ao hotel onde a seleção ficará concentrada em Pequim, a poucos metros do Estádio Ninho do Pássaro, local de disputa do Superclássico das Américas com a Argentina, Jefferson já foi para a academia.

Sob supervisão do preparador físico Fábio Masheredjian, o goleiro fez abdominais, alongamentos, correu na esteira e, para realizar alguns exercícios, chegou a apoiar o peso do corpo sobre a mão esquerda, numa demonstração de que parece estar recuperado da lesão. Nesta terça-feira, Jefferson vai realizar o primeiro treino com bola, no campo do Aoti Olympic Sports Centre Stadium.

Titular da seleção brasileira em três das quatro partidas disputadas anteriormente pelo Superclássico das Américas, o goleiro já prevê um duelo com Lionel Messi - ao contrário dos anos anteriores, quando só era permitida a convocação de atletas que atuavam em clubes do Brasil e da Argentina, agora não houve qualquer tipo de restrição.

"A gente sabe que o Messi sempre inova, a cada jogada, a cada lance. Não adianta falar que ele vai para a direita ou para a esquerda, porque cada dia ele vai para um lado. Por isso, o melhor a se fazer é ficar atento o jogo inteiro para poder fazer uma grande partida."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolseleção brasileiraJefferson

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.