Ed Ferreira/AE - 06/11/2011
Ed Ferreira/AE - 06/11/2011

Mesmo com mudança sobre bebidas votação da Lei da Copa é adiada

Presidente Dilma Roussef deve receber presidendente da Fifa, Joseph Blatter, sem ter o assunto resolvido

Eduardo Bresciani , Estadão.com.br

14 de março de 2012 | 17h50

BRASÍLIA - A votação da Lei Geral da Copa na Câmara foi adiada para a próxima semana mesmo depois de o governo apoiar a retirada da permissão da venda de bebidas alcoólicas, tema mais polêmico do projeto. Além da mudança do texto, contribuíram para o adiamento a troca na liderança do governo e a exigência de deputados ruralistas de que o Código Florestal tivesse precedência na votação. Com isso, a presidente Dilma Rousseff receberá o presidente da Fifa, Joseph Blatter, sem ter a lei aprovada e ainda com a efervescência do debate sobre a venda de bebidas. A entidade quer a liberação por ter uma cervejaria entre seus patrocinadores.

A reviravolta em relação às bebidas alcoólicas na Copa de 2014 gerou surpresa até no relator do projeto. “Eu estou surpreso e o Aldo Rebelo (ministro do Esporte) também”, disse Vicente Cândido (PT-SP) após a reunião de líderes que discutiu o tema.

Nessa reunião técnicos da Secretaria de Relações Institucionais e da Casa Civil informaram aos deputados não haver “compromisso formal” do governo com a Fifa para permitir a venda de bebidas. O líder do governo, Arlindo Chinaglia (PT-SP), telefonou para a ministra Gleisi Hoffmann para confirmar essa informação. Diante disso, os líderes da base decidiram que não apoiariam o texto do relator propondo a liberação.

"É um problema de relação comercial da Fifa”, resumiu o líder do PT, Jilmar Tatto (SP).

Isolado, Cândido disse que vai alterar seu parecer retomando o texto original do governo nesse ponto. Ele ressalta, porém, que esta redação vinda originalmente do Palácio do Planalto suspendia o artigo do Estatuto do Torcedor que proíbe “entrar e permanecer” com bebidas nos estádios. Técnicos do governo, porém, argumentam que o Estatuto não proíbe o comércio dentro das arenas e que essa supressão seria desnecessária.

Com a nova posição, o governo joga a responsabilidade da venda de bebidas para os estados e municípios, com quem a Fifa poderá negociar diretamente a permissão de venda. “Ainda há possibilidade de cada unidade da federação fazer o acordo com a Fifa”, disse Chinaglia.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014futebolLei Geral da Copa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.