Divulgação
Divulgação

Mesmo com pandemia, Catar confia em terminar obras dos estádios da Copa de 2022

De acordo com o comitê organizador, os operários infectados pela covid-19 estão recebendo salários e acompanhamento médico gratuito

Vinicius Saponara, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2020 | 05h00

O Catar vive um dilema nestes tempos de pandemia do novo coronavírus. Sede da próxima edição da Copa do Mundo, entre os meses de novembro e dezembro de 2022, o país do Oriente Médio teve que paralisar as suas atividades por conta da covid-19 e entre elas estão as obras dos estádios que sediarão os jogos. Para acalmar a todos, as autoridades garantem que tudo ficará pronto a tempo e não terão que adiar o evento como aconteceu com os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 ou a Eurocopa.

Até o começo deste mês, de acordo com números divulgados pela Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, o Catar apresentava pouco mais de 63 mil pessoas infectadas pelo novo coronavírus, ficando entre os 20 primeiros países com mais casos. Já com relação às mortes, o país tinha apenas 45, ocupando o 94.º lugar entre mais de 200 nações.

O Catar possui 2,6 milhões de habitantes e o Ministério da Saúde tem realizado, em média, 4 mil testes diariamente. Até agora, mais de 100 mil pessoas foram testadas no país. Mas a maioria dos casos de infecção e de morte pela covid-19 são de imigrantes, que trabalham como mão de obra para inúmeros empreendimentos, incluindo toda a estrutura para a Copa do Mundo.

De acordo com o Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2022, os operários infectados estão recebendo acompanhamento médico gratuito e continuam recebendo salários. "Em coordenação com o Ministério da Saúde, nós isolamos os trabalhadores infectados e os que tiveram contato, providenciamos material de proteção e ensinamos as melhores maneiras de prevenção. Também fizemos outras ações como desinfectar os locais de trabalho e limitamos ao máximo o risco de contágio", disse o secretário-geral Hassan Al Thawadi, em uma entrevista recente.

A Fifa não quis avaliar possíveis atrasos por causa da interrupção das obras. “Até 2022, estou otimista de que superaremos essa pandemia”, comentou Al Thawadi. “Será uma das primeiras oportunidades para todos celebrarmos juntos, nos envolvermos, reunir pessoas”. Segundo o jornal francês Le Tribune, cerca de 80% das obras relacionadas ao Mundial já estão prontas e o restante será concluído antes do tempo previsto pelas autoridades.

O que pode preocupar os organizadores é se o Mundial poderá ser acessível aos torcedores, já o Catar está sendo afetado pelo fechamento da atividade econômica em muitos países. A estatal Qatar Airways, uma das patrocinadoras da competição, já revelou que reduzirá empregos, pois a indústria global da aviação está amplamente prejudicada neste período.

“Sempre há a preocupação com a economia global, que deve atrapalhar a possibilidade de os fãs poderem viajar para comemorar a Copa do Mundo”, afirmou Al Thawadi. “Ainda estamos comprometidos em garantir o equilíbrio para termos um Mundial acessível, em um preço acessível para os fãs, além de funcional para a indústria e para o serviço de fornecedores de suprimentos”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.