Sergio Neves/AE
Sergio Neves/AE

Mesmo com vitória do Santos, Mancini critica arbitragem

Técnico santista também destaca as atuações de Madson e Neymar no ataque santista diante do Palmeiras

AE, Agencia Estado

18 de abril de 2009 | 21h05

A vitória do Santos por 2 a 1 sobre o Palmeiras, neste sábado, que valeu a classificação à final do Campeonato Paulista, deixou o técnico Vágner Mancini bastante satisfeito. No entanto, não a ponto de evitar que o treinador santista criticasse duramente a arbitragem de Salvio Spinola Fagundes Filho após o jogo no Palestra Itália.

Veja também:

linkSantos vence o Palmeiras e está na final do Paulistão

linkPalmeirenses brigam na frente do estádio antes do jogo

linkLuxemburgo defende Diego Souza após tumulto

mais imagens Galeria de fotos do clássico no Palestra Itália

tabela  Campeonato Paulista - Calendário / Resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"O Salvio no segundo tempo foi muito mal no jogo. O segundo tempo dele foi sofrível. Ele deixou de expulsar o Diego Souza", disse Mancini, se referindo a um lance do meia palmeirense com o volante Germano. Depois, o árbitro expulsaria Diego e o zagueiro Domingos, o que gerou uma grande confusão no final da partida. "O Salvio no segundo tempo apitou o jogo para o Palmeiras", acusou o treinador santista.

Deixando a arbitragem do clássico de lado, Mancini também comentou a postura do Santos no jogo, atacando o adversário desde o início. "O Santos entrou de uma forma que o Palmeiras não esperava. Adotou uma postura de ataque desde o começo do jogo", explicou o treinador, que ainda definiu a equipe santista na partida deste sábado. "Um time atrevido, que em alguns momentos foi muito superior."

Para Mancini, as atuações de Neymar e Madson foram decisivas no resultado da partida, com ambos atuando mais adiantados. "Às vezes a gente espera muito do mais velho, mas tem sido o mais jovem que tem dado aquele toque diferente", afirmou. Para a grande decisão, porém, o treinador manteve a cautela. "Ainda falta muita coisa, chegar à final não significa que nós estamos acima ou abaixo que o outro (adversário na final)."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.