Twitter/Barcelona
Twitter/Barcelona

Messi é a principal atração do Campeonato Espanhol, que começa neste sábado

Jogador argentino ganhou todo o holofote após pedir para sair do Barcelona e não conseguir; brasileiros buscam mais espaço

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2020 | 08h00

O Campeonato Espanhol começa neste sábado com as atenções voltadas para Messi, mesmo com o argentino fora de campo ainda em fase de preparação. Depois de abalar os alicerces do Barcelona com sua ameaça de saída, o craque é a maior estrela do campeonato, em uma equipe em reconstrução. Messi corre risco ainda de não ter um de seus melhores escudeiros no time, o uruguaio Luis Suárez, que negocia com a Juventus. O técnico Ronald Koeman disse nao contar com o camisa 9 e amigo pessoal do argentino.

Messi voltou aos treinos no Barcelona, para alívio da torcida catalã, mas as feridas abertas no dia 25 de agosto, quando ele anunciou sua intenção de deixar o clube, ainda estão abertas. "Jamais irei à Justiça contra o Barcelona. É o clube que amo, que me deu tudo desde que cheguei, o clube da minha vida. Vou continuar no Barça e a minha atitude não vai mudar porque queria sair", disse Messi em entrevista ao site Goal.com. Ele criticou a atual diretoria do Barcelona. Não se sabe como será o comportamento do jogador na temporada que se abre.

O primeiro jogo da nova temporada do Espanhol será Eibar x Celta de Vigo, no sábado, às 11h (de Brasília). No mesmo dia, o Granada enfrenta o Athletic Bilbao e o Cádiz encara o Osasuna. Messi ainda tem duas semanas para se preparar, já que o Barcelona não vai começar a disputar o Campeonato Espanhol neste sábado. A estreia da equipe será no dia 27. Depois da última temporada desastrosa, quando o Barça não conquistou nenhum título, Messi reiterou que quer ser competitivo. Veja a tabela do Espanhol.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Ele é o melhor do mundo e talvez você queira tê-lo em seu time e não o contrário. Eu adoraria tê-lo porque ele ganha jogos
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Ronald Koeman, técnico do Barcelona

O argentino, apesar de tudo, será peça fundamental sob as ordens do novo treinador do Barcelona. "Ele é o melhor do mundo e talvez você queira tê-lo em seu time e não o contrário. Eu adoraria tê-lo porque ele ganha jogos", disse Koeman em sua apresentação. Porém, o novo treinador já mostrou que não conta com Suárez.

Uma coisa está clara. No novo Barcelona de Koeman, Messi terá de buscar maior conexão com o artilheiro francês Antoine Griezmann. Na temporada passada, o argentino e o francês não se acertaram. "Foi parecido com o que aconteceu comigo e Mbappé. No começo, não nos encontramos e eu precisava de tempo para conhecê-lo", explicou Griezmann.

Um brasileiro também pode ser peça fundamental da reconstrução do Barcelona a partir da chegada de Koeman. O meia Philippe Coutinho retornou à equipe catalã depois de passar uma temporada emprestado ao Bayern de Munique. Na Alemanha, após altos e baixos, ele deu sinais de que pode recuperar o bom futebol, fez 38 partidas, marcou 11 gols e conquistou o título da Liga dos Campeões. Em 2018, o brasileiro custou 120 milhões de euros (R$ 755 milhões pela cotação atual) ao Barça e é a contratação mais cara da história do clube.

No Real Madrid, atual campeão da Liga, alguns brasileiros tentam se impor. Vinícius Junior busca mais espaço com o técnico Zidane. Ele tem sido útil ao time, mas ainda não ganhou a condição de titular. Rodrygo, ex-Santos, corre atrás, mas ainda em um estágio inferior ao compatriota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.