Mesmo invicto, Dunga sabe que será muito mais cobrado

O técnico da seleção brasileira sabe bem o que o espera em 2007. Com a estréia na temporada no amistoso contra Portugal - no próximo dia 6, em Londres -, e com as disputas da Copa América (em junho e julho, na Venezuela) e das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, Dunga tem certeza de que será muito cobrado a partir de agora. Mesmo depois de ter conseguido se manter invicto desde que assumiu o comando da equipe - cinco vitórias e um empate. "Nós começamos bem o trabalho, mas isso já faz parte do passado. Como já fomos jogadores da seleção brasileira, sabemos da cobrança que é feita aqui. Estamos sempre sendo testados", comentou Dunga, durante a entrevista coletiva após a convocação para o amistoso contra os portugueses, também se referindo ao seu auxiliar, o ex-lateral-direito Jorginho. Para enfrentar a equipe dirigida pelo brasileiro Luiz Felipe Scolari, Dunga chamou de volta o atacante Adriano, da Inter de Milão. O técnico contou que a convocação foi uma espécie de incentivo para o jogador, que só conseguiu recuperar a boa forma na Inter de Milão no final do ano passado. "Todo jogador que vai para a seleção tem que ter vontade. O Adriano passou por um momento delicado, mas está voltando à forma e a convocação dele é uma maneira de incentivá-lo", disse. Dunga, que não falou quem será titular no amistoso, falou ainda que o Brasil terá muito trabalho contra a seleção portuguesa. "Vai ser difícil. Portugal cresceu muito e tem uma base há muito tempo. Caberá à nossa equipe tornar o jogo menos complicado. Esse será o nosso trabalho", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.