Mesmo na liderança da Série C, Guarani tem princípio de crise após 1ª derrota

O Guarani vive uma situação paradoxal no Campeonato Brasileiro da Série C. Embora seja o líder do Grupo B, com 15 pontos, entrou em crise após sofrer a primeira derrota na competição: 1 a 0 para o Mogi Mirim, na última segunda-feira. A torcida protestou e os jogadores deixaram escapar que a premiação prometida, no valor de R$ 75 mil, está atrasada.

Estadão Conteúdo

12 de julho de 2016 | 19h45

O presidente Horley Senna preferiu minimizar as críticas ao time e disse que "tudo no Guarani ganha uma dimensão muito maior do que é a verdade". Ele também qualificou o protesto da torcida e as críticas da imprensa como "uma cobrança exarcebada". Não deixou de ser grosseiro, como lhe é peculiar. "Um ou outro torcedor que reclama têm problema em casa. Deve ter sido traído pela mulher".

O presidente argumenta que o time estava invicto há sete jogos na Série C e mesmo após a derrota ainda é líder. "Uma hora ou outra a gente iria perder. Não jogamos bem e perdemos. Só isso". Mas o dirigente não avaliou as últimas apresentações do time, que não marca há três jogos. Antes da derrota em Mogi Mirim (SP), o time empatou sem gols com Portuguesa, em São Paulo, e com o Botafogo-SP, em Campinas (SP). O clube confirmou o acerto com o meia Renatinho, ex-Mirassol, mas ainda não definiu um atacante especialista para ser chamado de matador.

QUESTÃO FINANCEIRA - Sobre o atraso na premiação, ele garante que será tudo acertado ainda nesta semana. A promessa é que uma parte deve ser paga nesta quarta-feira. "Tudo aqui dentro é honrado", disse em alto tom o dirigente, ao mesmo tempo em que admite que o salário dos funcionários agora é pago no dia 15 de cada mês. Lembrou que a folha dos jogadores triplicou e, por isso, sempre existem dificuldades.

Horley Senna admitiu que é inviável o clube aderir ao Profut - programa de refinanciamento do governo federal - porque teria que desembolsar R$ 125 mil por mês e não há recursos suficientes. Mas ele acredita que a ação conjunta de vários clubes vai abrir uma alternativa para que o Guarani possa quitar os seus débitos junto aos órgãos oficiais.

À parte dos problemas administrativos, o técnico Marcelo Chamusca também achou que o time não foi bem em Mogi Mirim e alertou que precisa melhorar. Ele já espera que isso ocorra neste domingo contra o Ypiranga-RS, pela nona rodada, em Campinas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.