Mesmo na reserva, Kahn diz que fica na seleção alemã

Depois de ter sido preterido na última sexta-feira pelo treinador da seleção alemã, Jürgen Klinsmann, que anunciou Jens Lehmann como seu titular na Copa, o goleiro Oliver Kahn revelou nesta segunda que não vai abandonar o time da Alemanha no Mundial. Em entrevista coletiva em Munique, ele admitiu estar desapontado com a reserva, mas disse estar convencido de que tem de ficar no grupo."Claro que a gente fica decepcionado, qualquer um quer estar num Mundial e também quer jogar uma Copa. Mas agora o importante é que o ambiente permaneça positivo e isso é simplesmente muito importante para a competição" afirmou Kahn, que foi eleito o melhor jogador da última Copa, em 2002, na Coréia/Japão.Muitos analistas esportivos e ex-jogadores da Alemanha defendiam e acreditavam que Kahn anunciaria nesta segunda-feira a sua saída da seleção que vai disputar a Copa. Mas o goleiro do Bayern de Munique confirmou que vai aceitar a derrota na disputa com Lehmann e se unir ao grupo."É preciso ter a capacidade de saber perder. Por isso, eu não vou embora. É importante para mim e para a equipe que eu continue presente", explicou Kahn. "Eu conversei com algumas pessoas nos últimos dias e decidi que vou ficar. A seleção precisa de uma boa vibração e não desta discussão, que ia e voltava como um chiclete duro. Agora só importa algo muito, muito maior: a Copa do Mundo."Antes do jogo do último sábado, quando o líder Bayern de Munique perdeu do Werder Bremen por 3 a 0 e viu o Hamburgo se aproximar a cinco rodadas do final do Campeonato Alemão, Kahn recebeu telefonemas de vários amigos. Entre eles, alguns companheiros de seleção, oferecendo total apoio.Sobre o novo titular Lehmann, Kahn foi bem direto e seco. "O Jens sabe o que é, como eu também, ficar sentado no banco de reservas por um longo tempo. Ele teve, também como eu, uma boa temporada", limitou-se a dizer o goleiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.