Arquivo/AE
Arquivo/AE

Mesmo sem Morumbi, Goldman quer a abertura da Copa 2014 em SP

'Esperamos que a abertura seja aqui, não quero abrir mão disso', diz o governador do Estado

Elizabeth Lopes e Gustavo Uribe, AE

18 de junho de 2010 | 20h25

O governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), garantiu nesta sexta que vai se reunir com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, após o dia 11 de julho, final da Copa do Mundo, para dizer que o Estado não pretende abrir mão de promover o jogo de abertura da Copa no Brasil, em 2014.

Veja também:

linkSP vai atrás de parceiros para o plano B

link'A arena de Pirituba teria de crescer para a Copa'

linkMineiros pressionam para receber a abertura

linkEstádio paulista para 2014 será definido após a Copa 2010

linkLula considera 'estranha' decisão da Fifa em vetar o Morumbi

"Esperamos que a abertura seja aqui, não quero abrir mão disso", afirmou Goldman, em entrevista à Agência Estado. E reafirmou que o governo não vai investir um único centavo na construção de um novo estádio. "Nem mesmo para o Timão", brincou, numa referência ao seu time de coração, o Corinthians.

"Se nós tivermos dinheiro, temos outras prioridades do que colocar uma fortuna em um estádio qualquer. Não tem cabimento construir um estádio para a Copa do Mundo, para um evento, eu não faria isso", disse o governador, acrescentando que hoje a demanda em termos de estádios já está coberta, citando como exemplos as arenas do Morumbi e do Pacaembu.

A CBF anunciou no último dia 16 que o Morumbi está excluído para a Copa de 2014 no País, em razão de atrasos no calendário de obras do estádio. A informação confirmou notícia veiculada com exclusividade pelo jornal O Estado de S.Paulo em abril.

No encontro que terá com Ricardo Teixeira, o governador paulista vai dizer também que irá cumprir os compromissos assumidos com relação aos investimentos em mobilidade para o mundial de 2014, como a ampliação das redes de metrô e trem. "O que nós não vamos investir é em novos estádios. É inadmissível que São Paulo, com todos os estádios que tem, fique fora (deste mundial). Se o Morumbi está fora, que se procurem soluções." E emendou: "Pode ser que ele (Morumbi) esteja fora da abertura, mas não fora da Copa."

Com relação aos investimentos que o governo pretende fazer, Goldman citou a construção de um centro olímpico na Capital. "Na verdade, estamos trabalhando em um projeto para criar um centro olímpico. É melhor gastar em um centro olímpico, que é uma unidade permanente na formação de jovens." O projeto ainda está em elaboração, mas ele acredita que poderá começar a ser implantado a partir deste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.