CELIO MESSIAS/Estadão
CELIO MESSIAS/Estadão

Mesmo sem Robinho, Santos bate o Red Bull Brasil em Rio Preto

Alvinegro teve pênalti duvidoso convertido pelo atacante Ricardo Oliveira e foi pressionado durante todo o segundo tempo

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

08 de fevereiro de 2015 | 21h46

Sem Robinho, poupado, e longe da Vila Belmiro, o Santos fez mais um jogo pouco empolgante no Campeonato Paulista ontem. Mas, ao contrário do empate sem gols da última quarta, o time volta de São José do Rio Preto com uma vitória suada sobre o Red Bull, por 2 a 1 graças a um pênalti duvidoso.

O jogo valeu para o técnico Enderson Moreira colocar em campo pela primeira vez como titulares três reforços, uma espécie de teste antes do clássico com o São Paulo, na quarta-feira. Pena que poucos santistas puderam ver de perto Vanderlei, Ricardo Oliveira e Werley.

A diretoria do Santos vendeu o mando de campo para uma empresa, que levou a partida para o interior. A mudança não empolgou as torcidas e a arquibancada ficou praticamente vazia - foram somente 8 mil pagantes.

O gramado feio e irregular do Teixeirão também prejudicou e os times mal tinham se adaptado a esses defeitos quando o primeiro gol saiu. Logo aos dois minutos, David Braz lançou, Geuvânio fez boa jogada pela esquerda e cruzou rasteiro. O zagueiro Fabiano Eller desviou a trajetória da bola e fez contra.

O gol cedo deixou o jogo ao gosto do Santos, mas levou o time se acomodar. Aos poucos, o Red Bull perdeu o medo de atacar, passou a ter mais posse de bola e criou jogadas de perigo.

O castigo para o time da Vila Belmiro veio no fim do primeiro tempo. Edmílson completou de cabeça cobrança de falta e deixou o placar mais justo ao futebol apresentado pelos times.

Só que segundos antes do fim da primeira etapa um grave vacilo do Red Bull recolocou o jogo nas mãos do Santos. O goleiro Juninho recebeu um recuo fraco e Ricardo Oliveira forçou a dividida para “cavar” o pênalti. Experiente e matador, o camisa 9 não vacilou e converteu para fazer o primeiro gol dele no retorno ao clube.

Depois do intervalo, o Santos voltou a repetir o erro de deixar o adversário crescer. O setor de criação era ineficaz e apenas Geuvânio dava trabalho. As mudanças pouco deram resultado e para sorte de Enderson Moreira, os números do placar não terminaram com justiça.

FICHA TÉCNICA

SANTOS 2 x 1 RED BULL BRASIL

SANTOS - Vanderlei; Victor Ferraz (Cicinho), David Braz, Werley, e Chiquinho; Alison, Renato e Lucas Lima; Geuvânio, Ricardo Oliveira (Lucas Crispim) e Thiago Ribeiro (Elano). Técnico: Enderson Moreira.

RED BULL BRASIL - Juninho; Jonas (Everton Silva), Anderson Marques, Fabiano Eller e Romário; Andrade (Gustavo Scarpa), Jocinei e Lulinha; Raul, Wilson Júnior (Rychely) e Edmílson. Técnico: Maurício Barbieri.

GOLS - Geuvânio, aos 3, Edmílson, aos 44, e Ricardo Oliveira (pênalti), aos 47 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS - Wilson Júnior, Juninho, Jonas e Everton Silva (Red Bull Brasil).

CARTÃO VERMELHO - Cicinho (Santos).

ÁRBITRO - Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral.

PÚBLICO - 8.158 pagantes.

RENDA - R$ 289.635,00.

LOCAL - Estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.