Messi afirma que imprensa desrespeita Ronaldinho Gaúcho

Craque argentino diz que jogador brasileiro está sendo perseguido pelos jornalistas e não merece críticas

Efe,

22 de janeiro de 2008 | 12h54

O atacante argentino Lionel Messi, do Barcelona, afirmou que a imprensa desrespeita o brasileiro Ronaldinho Gaúcho ao duvidar de seu profissionalismo, questionar seu estado de forma e falar em excesso de sua vida particular. Veja também: Milan prepara superoferta para contratar Ronaldinho Gaúcho "Não considerei justo o tratamento dado por tudo o que fez Ronaldinho neste clube, por isto concordo com as palavras do presidente Joan Laporta. Agora está trabalhando forte, está cumprindo sessões duplas de treinamento quase todos os dias e o vejo com muita vontade. Para nós é importante que volte o mais rápido possível", declarou. Além disso, Messi disse que "o Real Madrid não vai vencer sempre" e que, portanto, sua equipe terá, daqui até o final do campeonato, oportunidades para reduzir as diferenças na tabela. "É certo que estão vencendo partidas que parecem complicadas, mas é muito difícil que vença todas as 18 partidas que restam. Terão que perder alguma, como aconteceu conosco na última edição do Campeonato Espanhol, quando eles nos ultrapassaram", declarou Messi. Por isto, o jogador argentino pediu que seus companheiros não baixem a guarda. "Nós temos que pensar apenas em vencer e esperar e rezar para que eles desperdicem pontos para tirar a diferença de sete pontos". Para Messi, "atualmente o importante é vencer" e se mostrou convencido de que o Barcelona se reencontrará com o bom jogo à medida que as partidas passem. "O importante é que mesmo sem uma boa atuação se está vencendo e que quando jogarmos bem vai se tornar mais fácil ainda", acrescentou. O atacante não quis comentar as circunstâncias de sua polêmica viagem ao Catar, para onde viajou apesar de estar machucado, para promover uma escola de jogadores. "Sobre este tema já está tudo certo, falei o que tive que falar com as pessoas do clube e não há problema. É um assunto liquidado", se limitou a responder.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.