Messi causa polêmica ao doar chuteiras em programa egípcio de TV

Messi causa polêmica ao doar chuteiras em programa egípcio de TV

Dar sapatos de presente é um insulto em alguns países árabes

Andreza Galdeano, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2016 | 16h07

O atacante Lionel Messi não imaginava que a doação de um par de chuteiras, para fins beneficentes, causaria tanta indignação e polêmica nas redes sociais do Egito. A doação foi feita durante uma entrevista ao programa de tevê “I am famous” (Eu sou famoso), exibido pelo canal saudita MBC Masr. O problema é que alguns países árabes consideram o ato de atirar os sapatos em alguém ou apenas mostrar a sola do calçado é visto como um desrespeito ou insulto. Ou seja, dar um sapato de presente é um erro grave, um insulto.

No vídeo, a apresentadora Mona El-Sharkawy fica em situação embaraçosa ao receber o par de chuteiras do melhor jogador do mundo, mas exibe o presente. Na cultura árabe, mostrar a sola dos sapatos pode ser ainda mais ultrajante. Há até uma expressão, "bater em alguém com um sapato". Em 2008, o jornalista iraquiano Muntasir al-Zaydi jogou seus sapatos no então presidente dos EUA, George W. Bush, durante uma entrevista coletiva como forma de ofendê-lo.

Em outras partes do mundo, a doação da chuteira, modelo Pibe de Barr10 da Adidas, exclusiva de Lionel Messi, seria motivo de desejo e causaria comoção entre as pessoas. No entanto, o presente agora é símbolo de insultos entre torcedores e políticos do país.

O ex-jogador egípicio Mido defendeu Messi ao dizer que a "coisa mais preciosa que um escritor tem é sua caneta, e a coisa mais preciosa que um jogador tem são suas chuteiras". A apresentadora Mona El-Sharkawy afirmou que Messi "nunca disse que suas chuteiras eram para caridade no Egito".

Em contrapartida, o apresentador Said Hasasin, retirou seus sapatos em frente às câmeras e disse que eles eram destinados à Argentina, "onde também há pobres". A Federação Egípcia de Futebol e o Parlamento do Egito afirmaram que o ato de Messi foi ultrajante.

Após dividir opiniões, atos de solidariedade do craque argentino foram relembrados. O craque do Barcelona se comoveu com a história do garoto afegão que usou um saco plástico para fazer uma camisa da Argentina e colocou o nome de Messi atrás. O menino de 5 anos, Murtaza Ahmadi, recebeu uma camisa autografada pelo jogador do Barcelona, e disse "Eu amo Messi e a minha camisa diz que Messi me ama".

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.